Dia de Combate ao Câncer: oncologista alerta sobre cuidados com a saúde e importância do diagnóstico precoce

Eduardo Dicke, que integra o corpo clínico da Oncomed-MT, responde dúvidas sobre a doença, cuidados e avanços na medicina para o tratamento

Apontado como a segunda doença que mais mata no Brasil, o câncer ainda assusta quem ouve falar sobre ele. O medo do diagnóstico afasta as pessoas do consultório, mas a prevenção e uma vida saudável, ainda são os melhores remédios na busca por evitar a doença. Dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) revelam que o Brasil terá 625 mil novos casos entre 2020 e 2022. A obesidade estará entre os principais fatores de risco para o desenvolvimento de 11 dos 19 tipos mais frequentes na população brasileira. Depois do câncer de pele não melanoma (177 mil casos novos), os mais incidentes serão os de mama e de próstata (66 mil cada), cólon e reto (41 mil), pulmão (30 mil) e estômago (21 mil).

Muitos atribuem o diagnóstico a predisposição genética, mas comportamentos não saudáveis como fumar, consumir bebidas alcoólicas, sedentarismo e manter dieta pobre em vegetais também aumentam o risco para a doença. Para ampliar o conhecimento da população brasileira sobre o câncer e, principalmente, sobre a importância da prevenção, o Ministério da Saúde estabeleceu a data de 27 de novembro como Dia Nacional de Combate ao Câncer.

Na entrevista a seguir, o oncologista clínico da Oncomed, Eduardo Dicke, esclarece dúvidas em relação à doença, fala dos cuidados preventivos e sobre os avanços no tratamento.

Dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) apontam que mais de 600 mil brasileiros devem receber até o ano que vem a notícia de que estão com algum tipo da doença. Qual a importância de existir um dia de combate ao câncer no Brasil? Qual a sua avaliação da situação atual da doença no país e os esforços de combate neste contexto?

Eduardo Dicke: A data foi criada com o intuito de promover a conscientização sobre a doença por meio de campanhas que incentivam a prevenção. Existem possibilidades de prevenir muitas das doenças que tratamos com as estratégias de avaliação médica de rotina, exames preventivos e de rastreamento, campanhas de detecção precoce. E o diagnóstico precoce torna possível a oportunidade de oferecer tratamentos mais direcionados para um tumor na fase inicial, mais precisos e eficazes, com muito maior possibilidade de cura e mais qualidade de vida para o paciente.

Observamos que durante a pandemia muitos pacientes deixaram de fazer os atendimentos preventivos. Neste momento, com o avanço da vacinação, existe um cenário mais favorável, que permite que as pessoas voltem a fazer as avaliações médicas de rotina e os exames regulares preventivos.

A identificação precoce do câncer possibilita a chance de cura. Por exemplo, no caso do câncer de mama as chances de cura podem chegar a 95%, caso diagnosticado precocemente. Por que é importante manter uma rotina de cuidado com a saúde, procurando um médico regularmente, para realizar exames preventivos. O que muda com o diagnóstico precoce?

Eduardo Dicke: O diagnóstico precoce, feito a partir das avaliações médicas preventivas, pode proporcionar um tratamento, de forma geral, com melhores resultados, melhores números de remissão, controle e cura. Quando a doença é diagnosticada precocemente, os tratamentos possuem uma alta taxa de sucesso no aspecto de reabilitação e qualidade de vida para o paciente.

Uma doença descoberta em fases mais avançadas passa por tratamentos, em geral, mais complexos, de duração maior, mas que também proporcionam resultados. O foco do diagnóstico precoce é oferecer a melhor oportunidade do paciente se beneficiar dos tratamentos, que atualmente existem e que trazem melhores taxas de cura.

Hoje vivemos na Oncologia a era do tratamento personalizado, com procedimentos específicos para determinados subtipos de tumores. Também vivemos a era do tratamento genômico, em que pesquisamos características moleculares, mutações no tumor, para saber se a doença pode ser alvo de um tratamento diferenciado, com medicações de nova geração conhecidas como drogas-alvo e imunoterapia, que podem, em determinados casos trazer um resultado superior.

Estes testes moleculares, os biomarcadores, estão disponíveis para alguns tipos de tumores e orientam a escolha de tratamentos, havendo um crescente número de estudos científicos demonstrando benefício. Desta forma, eles passaram a ser adotados como conduta padronizada preferencial em alguns casos, inclusive antes da cirurgia – mesmo em tumores iniciais.

E o diagnóstico precoce neste cenário é fundamental. É como uma roupa feita por um alfaiate: um recurso que permite identificar o câncer de forma individual, o subtipo do tumor que acomete o paciente, torna o tratamento mais preciso, mais eficaz. Vamos lidar com menores taxas de complicações da doença e menor ocorrência de sintomas.

A prevenção é a chave para uma boa saúde. Quais são os cuidados que os homens devem ter para o diagnóstico precoce do câncer de próstata e também para a saúde de forma global?

Eduardo Dicke: O diagnóstico precoce do câncer de próstata pode proporcionar a detecção em uma fase da doença altamente curável. Para os tumores iniciais, os tratamentos tradicionais, como a cirurgia conhecida como prostatectomia e a radioterapia tiveram avanços. Hoje, a prostatectomia por robótica consegue trazer uma qualidade de vida melhor ao paciente e com maior sucesso em termo de menos sequelas do procedimento. Temos disponível, ainda, o tratamento com radioterapia com intensidade modulada de feixe, que também consegue proporcionar uma qualidade de vida melhor e menos efeitos adversos do tratamento.

Estes procedimentos são direcionados para a doença na fase inicial, em fase de cura, quando ela está localizada na próstata. Sobre os cuidados, a orientação é que os homens a partir dos 50 anos façam avaliação médica de rotina, sendo mais cedo a partir de 40-45anos nos casos de história familiar de câncer de próstata, e que na decisão compartilhada do médico com o paciente possa ser feito o exame de toque retal e o exame de PSA, como estratégia de tentativa de diagnóstico precoce da doença.

O câncer não tem uma causa única. Entre 80 e 90% dos casos estão associados a causas externas. As mudanças provocadas no meio ambiente pelo próprio homem, os hábitos e o comportamento podem aumentar o risco de diferentes tipos de câncer. Adotar um estilo de vida saudável faz diferença na prevenção do câncer? Quais hábitos devemos seguir para prevenir a doença?

 Eduardo Dicke: A estratégia de estimular hábitos saudáveis de vida é recomendada no mundo inteiro. Isto é de fundamental importância. Pelo menos metade dos tumores está relacionada ao estilo de vida. Sabemos que uma dieta desregrada, com elevado consumo de enlatados, embutidos e gorduras, obesidade, falta de atividade física, exposição ao tabagismo e consumo exagerado de bebida alcoólica estão associados ao risco aumentado de tumores. São dados endossados pelo Instituo Nacional do Câncer (Inca) e pelo Instituto Americano de Pesquisa contra o Câncer. Para se ter uma ideia, existe evidência que o peso da dieta desregrada pode ser tão forte no surgimento do câncer quanto o tabagismo.

Então, em muitos países, as campanhas de estímulo às atividades físicas e aos bons hábitos nutricionais são importantes para prevenção de saúde e em relação à prevenção de câncer. Estas estratégias são válidas no contexto da população em geral, como também na reabilitação dos pacientes que já trataram. Em muitos tumores, a manutenção de um peso dentro de uma faixa ideal, com bons hábitos alimentares e prática de atividades físicas, estão associados a menos chances de reincidir o câncer e maior possibilidade de cura.

O câncer é a doença que mais mata crianças e adolescentes no Brasil, superado somente pelos acidentes e mortes violentas. Existe uma estratégia vacinal para ser utilizada a partir da infância com o intuito da prevenção do câncer?

 Eduardo Dicke: As estratégias vacinais, como as vacinas para Hepatite B e para o HPV (Papilomavírus Humano), são de importância fundamental para a prevenção do câncer. O vírus da Hepatite B está associado ao risco aumentado de tumores no fígado. A infecção pelo vírus HPV, cuja forma mais comum de transmissão é pela atividade sexual, está associada ao risco de câncer de colo uterino e a outros tumores anogenitais.

A estratégia vacinal está associada a um fator de proteção. São vacinas disponíveis tanto na rede pública como na rede privada. Elas são padronizadas, incorporadas ao calendário vacinal do Mistério da Saúde (MS) e consistem em estratégias eficazes para a prevenção do câncer. É importante destacar que a vacina para Hepatite B deve ser recomendada em todas as faixas etárias, sendo utilizada a partir da infância.  Já a vacina contra o HPV é direcionada à faixa vacinal de 9 a 14 anos, tanto para meninas como para meninos.

A vacina para o HPV é cercada de preconceitos, infelizmente, mas é uma estratégia muito importante e eficaz para prevenção de uma doença que ainda hoje, infelizmente, em todo o mundo, é um grave problema de saúde: o câncer de colo uterino. A imunização contra o HPV pode trazer um cenário em que o câncer de colo uterino seja erradicado no futuro.

O câncer ainda é um grande tabu. Muitas pessoas não gostam nem ouvir a palavra, muito menos se informar sobre a doença e acabam “fugindo” do médico com medo do diagnóstico.  Como a imagem ligada a morte e ao sofrimento se torna um obstáculo para o enfrentamento do câncer?

Eduardo Dicke: Apesar de ser uma notícia que comove e assusta o paciente, conseguimos mostrar que existe um caminho com seriedade, responsabilidade e humanização.  Uma boa forma de motivar a esperança é observando pessoas que se trataram e estão bem. Então, a mensagem para o paciente é acreditar. O amparo de uma rede apoio e da família é fundamental. Buscar se informar e fortalecer o relacionamento com a equipe multidisciplinar é, também, muito importante. Os profissionais da área da saúde em Oncologia são talentos que se dedicam a proporcionar um tratamento digno, responsável e humanizado, refletindo em uma melhora da qualidade de vida.

(Informações da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorA obra não pode parar: quem investe em planejamento não é atropelado pela inflação
Próximo artigoAgora sem cargo público, Abílio trabalha como designer gráfico