Da corrupção para Educação: cidade de MT ganha escola financiada por acordo de leniência

Ao todo, R$ 5,6 milhões foram aplicados na construção do espaço que vai atender mais de mil alunos

(Foto: Seduc-MT/Divulgação)

Quase R$ 6 milhões oriundos da corrupção financiaram a construção de uma nova escola em Barão de Melgaço (a 113 km de Cuiabá). O montante é resultado de um acordo de leniência firmado em 2018 entre uma empresa do ramo alimentício e o governo do Estado.

Ao todo, R$ 5,6 milhões foram aplicados na construção da obra.

A nova escola terá capacidade para cerca de 1,3 mil alunos. A previsão é que a unidade comece a funcionar no dia 23 de março – início do ano letivo de 2020 na rede estadual.

Serão atendidos no novo prédio alunos do 1º ao 9º ano do ensino fundamental e do 1º ao 3º ano do ensino médio. As vagas serão distribuídas nos três turnos.

LEIA TAMBÉM

Além de bloco administrativo e refeitório, o prédio tem 14 salas de aula e conta também com biblioteca, sala de apoio e de recursos multifuncionais, sala para projetos de arte, música e comunicação.

(Foto: Seduc-MT/Divulgação)

Acordo de Leniência

O acordo de leniência é um instrumento administrativo previsto na Lei Anticorrupção assinada em 2013. O ato é parecido com a colaboração premiada feito com pessoas físicas no âmbito penal.

Para a celebração do acordo, a empresa deve, entre outros requisitos, admitir a participação no ilícito e cooperar com as investigações.

O objetivo é apontar os demais envolvidos na infração e ceder provas que comprovem o ilícito.

Com a celebração do acordo de leniência, a empresa pode, por exemplo, obter redução no valor da multa. Ainda assim, a assinatura do acordo não exime a empresa de reparar integralmente o dano financeiro causado ao erário.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorApós polêmica com artistas, prefeitura considera rever lei do silêncio
Próximo artigoFechamento da única indústria de ureia no país preocupa pecuaristas de MT