Confusão: Afinal, que regras estão valendo na pandemia em MT?

Governo sugeriu regras aos municípios e muitos não baixaram decretos próprios. A Justiça, então, atendeu o MP e impôs medidas

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O decreto nº 874/2021, do Governo de Mato Grosso, com a classificação de risco de contágio para a covid-19 e prescrição de medidas para controlar a circulação de pessoas  continua gerando confusão.  

A desorientação iniciou com a interpretação do Ministério Público de Mato Grosso de que as medidas baixadas pelo governo do Estado têm caráter impositivo, sem opção de acatar ou não pelos municípios. 

O próprio governo tem explicado o decreto num formato de dois blocos: um de medidas impositivas e outro de recomendações. No decreto, estabelece que essas cidades cumpram quarentena obrigatória por 10 dias e sugere algumas medidas.  

Nesta segunda-feira (29), uma decisão liminar da desembargadora Maria Helena Póvoas – que acatou um pedido do MP – tornou tudo ainda mais confuso. Com a decisão, todas as regras passam a ser obrigatórias. 

Mas a decisão vale só para os 50 municípios apareciam, até sexta-feira (26), na classificação de risco muito alto de contágio. Um balanço epidemiológico elaborado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). 

E como se não bastasse, tem havido demora por parte das prefeituras em se manifestar sobre o assunto. É o caso de Cuiabá, que desde ontem vive a expectativa de um anúncio do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB).

O prazo estabelecido no decreto para a regulamentação municipal venceu no sábado (27), mas até o momento prefeitos de cidades vizinhas tentam adotar medidas conjuntas.

Quarentena ou lockdown? 

O regime sanitário que está estabelecido para os 50 municípios é o de quarentena obrigatória. Conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), o objetivo da medida é controlar o fluxo de pessoas, mas não significa o fechamento total (lockdown) das atividades econômicas. 

Mas o decreto do governo de Mato Grosso descreve essa quarentena como “medida que tem como objetivo evitar a propagação da pandemia por meio do confinamento obrigatório de pessoas em suas habitações, com restrição ao trânsito de pessoas, ficando permitida a circulação apenas para o exercício e/ou acesso às atividades essenciais“. 

Logo em seguida, estabelece algumas regras para o funcionamento da economia que inclui as cidades com risco muito alto de contágio. Para os municípios nessa classificação, é recomendada a implantação de barreira sanitária, com triagem das pessoas que entram e saem. 

De segunda à sexta-feira, fica autorizado o funcionamento das atividades essenciais entre as 5h e as 20h. Aos sábados e domingos, a autorização vai até ao meio-dia.

Há exceção para farmácias, hospedagem, serviços de saúde, imprensa, indústria, posto de combustíveis, etc. Estes podem funcionar 24 horas por dia. 

Eventos religiosos e empresariais, teatro e prática de esportes também ficam autorizados a funcionar sob as mesmas regras, respeitando o toque de recolher entre as 21h e as 5h.

As prefeituras dos 50 municípios também deverão adotar um escalonamento para fechamento do comércio. Os segmentos deverão trabalhar em turnos durante a vigência da quarentena.  

A regra está no artigo 9º do decreto estadual e inclui os serviços de transporte coletivo. O prazo para os municípios cumprirem a ordem venceu no sábado (27). 

“Os municípios situados devem editar, em até 48 horas contados da data de publicação deste decreto, norma para escalonamento de horário de abertura e fechamento das atividades do comércio, indústria e serviços desenvolvidos no âmbito local, de modo a evitar aglomeração de pessoas nos pontos de ônibus e no interior dos veículos destinados ao transporte coletivo”, diz o artigo.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior31 anos de atividade: Marco Aurélio Mello define dia da aposentadoria
Próximo artigoMP investiga contrato de R$ 1,8 milhão para serviços em hospital de VG