Caso Isabele: tiro no rosto de adolescente não foi acidental, afirma laudo

Documento foi elaborado pela Politec e entregue à Polícia Civil nesta terça-feira (11)

Isabele não resistiu e morreu no local (Foto: arquivo pessoal)

Os laudos de confronto balístico e da cena do crime envolvendo a morte de Isabele Guimarães Ramos, de 14 anos, foram entregues à Polícia Civil. O documento elaborado pela Politec afirma que o tiro no rosto da adolescente não foi acidental.

Isabele morreu no dia 12 de julho, no Alphaville I, condomínio de luxo no Bairro Jardim Itália, em Cuiabá. A hipótese defendida pela amiga da vítima, autora do disparo, é de que o tiro foi acidental.

Em um vídeo do depoimento, a menina chega a simular o momento em que derrubou a arma e, quando pegou de volta supostamente ocasionou o tiro.

O documento, todavia, nega essa versão. No laudo, o perito conclui que a morte foi violenta e que o gatilho da arma envolvida foi acionado de forma regular. A arma teria ficado entre 20 e 30 centímetros da face da vítima.

LEIA TAMBÉM

“No ato do disparo, o agente agressor posicionou-se frontalmente em relação à vítima, sustentou a arma a uma altura de 1,44m do piso”.

Em nota, a Politec informou que os laudos foram entregues ao delegado Wagner Bassi, titular da Delegacia Especializada do Adolescente de Cuiabá. Eles respondem perguntas técnicas sobre a arma envolvida no caso

“A arma de fogo questionada pode produzir tiro acidental?”

“Não. Nas circunstâncias alegadas somente se mostrou capaz de realizar disparo e produzir tiro estando carregada, engatilhada, destravada e mediante o acionamento do gatilho”, enfatiza o documento.

Uma série de testes foi feita pela perícia para chegar ao resultado. Todas as hipóteses (arma engatilhada e travada, desengatilhada, semi-engatilhamento, por exemplo) foram testadas para o resultado apontado.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.