UFMT vai qualificar 150 empresas de MT para exportação

Programa visa a aproximar universidade dos setores econômicos e explorar nicho em ascensão no Estado

Imagem ilustrativa (Foto: Pixabay)

Pelo menos 150 empresas em Mato Grosso vão estar aptas para exportar seus produtos para outros países dentro dos próximos dois anos.

É o que pretende o Núcleo Operacional do Programa para Exportação (PEIEX), que está sendo instalado na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) a partir de um convênio firmado com a Agência de Promoção de Exportações do Brasil (Apex-Brasil).

O diretor do Escritório de Inovação Tecnológica (EIT) da UFMT, professor Olivan Rabêlo – que também é o coordenador do PEIEX, explica que o programa serve a dois objetivos: explorar melhor o mercado exportador e criar a relação universidade-empresa.

“Queremos aproveitar o potencial de Mato Grosso na área de commodities, enxergar a oportunidade de processamento destes produtos e colocá-los em outros países. Também precisamos aproximar a universidade do setor produtivo, levar o pesquisador para dentro das empresas e trazer o produtor para dentro da universidade”, enfatiza.

O programa terá duração de 24 meses e, após a qualificação, as empresas passarão a um próximo passo dentro da Apex-Brasil, que é o fomento de clientes no mercado exterior.

Rabêlo explica que o programa está em fase de implantação, e no próximo mês (setembro) já começa a selecionar profissionais que vão atuar na capacitação das empresas. Vale ressaltar que a qualificação não tem nenhum custo para o empresário.

Em relação ao perfil das empresas com potencial exportador, o professor explica que o foco está no agronegócio e biotecnologia. “Mas qualquer empresa com potencial exportador poderá se beneficiar do programa”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorProduzido na cadeia
Próximo artigoLer sobre estupro faz jovem lembrar de seu caso e denunciar anos após crime