TRE reprova as contas da campanha de 2018 de Pedro Taques

Ex-governado e seu então candidato a vice não comprovaram uma despesa de mais de R$ 2,2 milhões durante o período eleitoral

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TER-MT), por unanimidade, reprovou as contas da campanha eleitoral do ex-governador Pedro Taques e do então candidato a vice Rui Prado. Eles disputaram juntos em 2018.

Relator do processo, o juiz membro Sebastião Monteiro destacou a existência de três inconsistência e oito irregularidades na prestação das contas de Taques e Prado.

Entre as irregularidades mais graves está a não correta comprovação de R$ 2.240.479 em despesas durante a campanha eleitoral. O valor corresponde a 46,25% do total de dinheiro gastos pelos dois candidatos. A campanha deles custou R$ 4.802.712.

A maior parte do valor considerado irregular – R$ 1.442,147 – seria pago pelo PSDB Nacional. Mas segundo o relator, o partido não deixou claro qual seria a fonte desse dinheiro.

Monteiro apontou ainda que Taques e Prado não comprovaram corretamente a regularização de outros R$ 647.387. O problema estaria na não apresentação à Justiça Eleitoral dos comprovantes de pagamento de dívidas a credores.

Ao invés disso, os candidatos teriam apresentados apenas termos de quitação de dívidas, que estabeleciam como condição de validade, justamente, a comprovação de que dívidas teriam sido pagas.

Devolução de recursos

Outras irregularidades nas contas de Taques e Prado foram duas doações feitas de forma proibida pelas normas que regem a campanha eleitoral.

A campanha recebeu R$ 10 mil em cheque e R$ 2 mil em dinheiro. Os valores teriam que ter sido doados por meio de transferência bancária.

Por conta disso, o Pleno do TRE decidiu que os R$ 2 mil deverão ser destinados ao Tesouro Nacional, por se tratar de uma grave irregularidade.

Os ex-candidatos também terão que devolver aos cofres do partido o valor de R$ 356,43 que teriam sido pagos para impulsionar conteúdo no Facebook. O dinheiro saiu do Fundo Partidário e não teria sido utilizado.

Consequências

Apesar da reprovação das contas ser algo vexatório, a decisão não impede que Pedro Taques e Rui Prado sejam candidatos nas eleições deste ano ou nas próximas, caso desejem.

Só haveria impedimento se ambos não tivessem prestado contas à Justiça Eleitoral – o que resultaria na falta de quitação eleitoral, que é requisito indispensável para se obter registro de candidatura.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBASA abrirá inscrições para projetos de patrocínios para 2021
Próximo artigoComo fazer uma reserva de emergência?