Syngenta investe 2 bi de dólares em pesquisa sobre mudanças climáticas

Syngenta quer oferecer pelo menos dois avanços tecnológicos disruptivos ao mercado a cada ano

Foto: Divulgação

A Syngenta anunciou nesta terça-feira (22) que destinará US$ 2 bilhões ao longo dos próximos cinco anos para ajudar os agricultores a se preparar e enfrentar as crescentes ameaças causadas pela mudança climática.

O investimento apoia um novo objetivo de sustentabilidade da Syngenta, que consiste em oferecer pelo menos dois avanços tecnológicos disruptivos ao mercado a cada ano, com o objetivo de reduzir a contribuição da agricultura para a mudança climática, aproveitar sua capacidade de mitigação e ajudar o sistema alimentar a permanecer dentro dos limites planetários.

O CEO da Syngenta, Erik Fyrwald, disse que o investimento em pesquisa e desenvolvimento para a agricultura sustentável será acompanhado com o objetivo de reduzir a intensidade de carbono nas operações da empresa em pelo menos 50% até 2030. Atendendo os objetivos do Acordo de Paris sobre a mudança climática.

“A agricultura agora está na linha de frente dos esforços globais para enfrentar a mudança climática”. Não é apenas um discurso, são ações concretas que vão direcionar o foco da Syngenta para ajudar os agricultores a enfrentar essas mudanças e reduzir a contribuição do setor para as emissões de gases do efeito estufa no mundo”, afirmou Fyrwald

Foto: Divulgação

Os US$ 2 bilhões serão destinados a programas com benefícios nitidamente diferenciados ou tecnologias disruptivas que permitirão uma mudança significativa nos níveis de sustentabilidade agrícola, como o uso da terra, saúde dos solos e manejo integrado das pragas.

Por meio de uma colaboração da The Nature Conservancy, a Syngenta está desenvolvendo estratégias para identificar e testar inovações e tecnologias que possam beneficiar os agricultores e contribuir para resultados ambientais positivos. A colaboração se baseia em esforços para promover a saúde dos solos, eficiência de recursos e proteção dos habitats em importantes regiões agrícolas do mundo todo.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAgricultura chega em Cotriguaçu e demanda por mão de obra aumenta
Próximo artigoEm 5 anos, Reverte visa recuperar um milhão de hectares degradados no cerrado

O LIVRE ADS