Sinop Energia monitora riscos de incêndios em áreas florestais

Com ajuda de satélites, a empresa monitora os focos de calor na região

O período de julho a setembro é considerado o mais propenso a incêndios em Mato Grosso. Fatores como a ação humana ou causas naturais, aliados à falta de chuvas e ao clima seco, facilitam a ocorrência de queimadas.

Assim, buscando proteger as áreas florestais na área de influência da Usina Hidrelétrica (UHE) Sinop, a equipe de meio ambiente da Sinop Energia faz uso do Painel de Monitoramento ao Risco de Incêndio. Administrada pelo Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), a ferramenta monitora e divulga os locais com maior probabilidade de ocorrência de incêndios no Brasil.

André Vasques, gerente de Meio Ambiente da Sinop Energia, explica que a iniciativa se deu devido à necessidade de avaliar e monitorar as condições gerais regionais com relação às possíveis ocorrências de focos de incêndios em florestas, como ação preventiva, para proteger a biodiversidade da flora e da fauna.

“Este monitoramento e observação permanente são muito importantes, pois, além da técnica de determinação do IPI – Índice de Perigo de Incêndio, que é um fator de alerta, têm precisão na identificação de focos de incêndios, permitindo ações preventivas e protetivas das florestas”, explica Vasques.

Como funciona

De acordo com o INMET, o Risco de Incêndio é gerado a partir do Índice de Inflamabilidade, que calcula a possibilidade de um incêndio ocorrer a partir das condições de umidade, temperatura e ocorrência de chuvas.

O resultado gera um índice que varia de 1 a 5, sendo atribuído o grau de risco para cada um e intervalo de valor sendo classificado: Perigosíssimo, Grande, Médio, Fraco e Nenhum. Como pode ser observado na figura abaixo:

Um dia após o Dia de Proteção às Florestas (17 de julho), a Sinop Energia se orgulha em buscar a preservação da fauna e flora do entorno da UHE Sinop. Para isso realiza diversos trabalhos na área ambiental, tais como a produção de mudas de espécies nativas, a restauração das áreas de preservação permanente do reservatório, monitoramento da fauna incluindo animais e aves, para a conservação da biodiversidade da região amazônica em que o empreendimento está inserido.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPolícia apreende armas de agressões em operação contra violência doméstica
Próximo artigoQuais as coberturas mais essenciais do plano de saúde para cada faixa etária?