Senadores de MT não acreditam em voto distrital para 2022

Sistema assegura vitória dos mais votados na disputa de vereadores, deputados estaduais e federais

Os três senadores de Mato Grosso não acreditam que o projeto do Distritão seja aprovado pelo Congresso Nacional para entrar em vigor a partir das eleições de 2022.

Após ser rejeitado em 2015 e 2017, o assunto voltou a ser discutido em uma proposta de emenda à Constituição (PEC) apresentada no dia 14 deste mês pela deputada federal Renata Abreu (Podemos-SP).

Com histórico de oito mandatos na Câmara dos Deputados, o senador Welington Fagundes (PL) diz que tem dialogado com líderes partidários do Congresso Nacional e não acredita que a proposta seja viável.

“O sentimento é de que se faz necessário vigorar uma eleição para deputados estaduais e federais sem coligação. Eu acredito que o voto distrital misto ou o Distritão possa ser consolidado e aprovado pelo Congresso Nacional, mas isso ainda vai levar alguns anos. Precisamos amadurecer os partidos neste momento a disputar novamente sem coligação, a exemplo de 2020”, disse.

O senador Carlos Fávaro (PSD) também não vê viabilidade neste momento.

“Tenho a plena certeza que não passa. A única alteração concreta é o estímulo à participação feminina. As lideranças do Congresso Nacional também descartam neste momento a volta das coligações nas eleições proporcionais”, disse.

O senador Jayme Campos (DEM) também descarta a possibilidade de uma mudança drástica na legislação eleitoral que permita a vigência do Distritão nas eleições de 2022.

“É um debate saudável, mas não passa neste momento. O Brasil ainda vai avançar para um sistema de voto distrital nas eleições proporcionais, mas não será neste momento”, destacou.

O que é o Distritão?

O Distritão muda substancialmente a forma de eleição de candidatos à Câmara dos Deputados, Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais. Atualmente, o sistema vigente é o proporcional, que considera a contagem de votos dos partidos a partir de uma lista de candidatos que cada legenda apresenta individualmente.

A contagem de votos é feita em duas etapas: primeiro, é contabilizado o total de cada partido e calculado o quociente partidário, que estabelece uma espécie de nota de corte a ser usada na próxima fase.

A segunda é a do quociente eleitoral, que determina quais candidatos ocuparão as vagas determinadas para cada legenda anteriormente.

Com o Distritão, é abandonado o sistema proporcional e adotado o mesmo critério das eleições majoritárias na disputa de vereadores e de deputados estaduais e federais. Dessa forma, os candidatos que receberem maior número de votos são os eleitos, sem que haja uma distribuição maior de cadeiras para garantir uma variedade partidária.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorConselheiro pede que OAB recorra ao STF contra fundo de R$ 5,7 bilhões
Próximo artigoBase de Bolsonaro prepara mega manifestação pelo voto auditável