|terça, 21 agosto 2018

    Saúde, uma reflexão

    51
    COMPARTILHECOMPARTILHE

    A saúde é hoje um dos principais gargalos de Mato Grosso e, certamente, do Brasil. Veículos de comunicação de massa trazem a cada semana, se não a cada dia, o retrato estarrecedor do descaso com a vida humana estampado em imagens de hospitais fechados ou funcionando em condições de extrema penúria, às vezes até sem insumos básicos como gaze, equipamentos comprados e jamais utilizados, prédios insalubres com infiltrações, goteiras e bolor, pacientes amontoados nos corredores, além de carência de profissionais para o atendimento das pessoas.

    Para responder a tal carência, em 2013, o governo federal decidiu implantar o Mais Médicos. E o programa teve o condão de trazer para a arena das grandes discussões nacionais a questão premente da atenção básica em saúde, especialmente direcionada aos municípios e comunidades mais pobres e/ou distantes dos grandes centros urbanos que não dispunham de médicos, ou seja, às populações menos favorecidas.

    Mas, e em Mato Grosso, especificamente, como vai o programa? Reconhecido como uma importante política de saúde pública, o Mais Médicos atende hoje 105 municípios dos 141 do estado (cerca de 74%). São 230 médicos, 3 tutores e 30 supervisores vinculados ao programa atendendo em diversos municípios e levando saúde a quase 1 milhão de pessoas.

    Em Mato Grosso, a UFMT é a instituição responsável por sua tutoria e supervisão, contando ainda com a coordenação da Comissão Estadual do programa, formada pelas instituições parceiras: Organização Pan-Americana de Saúde, Ministério da Saúde, Ministério da Educação, Distritos Sanitários Especiais Indígenas e Secretaria de Estado de Saúde.

    Seu impacto para a saúde pública no estado é altamente positivo, pois além de levar assistência promove a qualificação e capacitação dos recursos humanos nas equipes de Saúde. E tão grande é esse impacto, e a carência de serviços de saúde de qualidade ofertados à população é tão premente, que hoje já se constata uma demanda reprimida bastante significativa: mais 30 municípios mato-grossenses já solicitaram adesão ao programa, estão prontos para recebê-lo – pleito que, se atendido, elevaria o número para 135, ou seja, quase a totalidade dos municípios do estado.

    Observe-se, a propósito, que cada município que adere ao programa em Mato Grosso também adere à instituição gerenciadora, a Universidade, no que tange a seus princípios elementares: o lado de serviço (saúde) e o de formação em saúde (educação). A expertise da UFMT, no caso, é a oferta de capacitação a quem é vinculado ao programa, isto é, além de qualificar o serviço, visa qualificar o trabalhador. Quando a Universidade se associa ao serviço, ela também tem de estar ligada às necessidades da população.

    Noutras palavras: quando a Universidade participa da oferta desse programa, ela fica mais sensível ao que acontece na ponta do processo, o município, que, como se sabe, é onde as coisas de fato acontecem, onde se dão as dores e as alegrias das pessoas. Essa visão é hoje, na UFMT, um dos pressupostos mais claros na gestão da Reitora Myrian Serra.

    Porém, infelizmente, o processo de expansão do Mais Médicos no país encontra-se travado. Travado porque o Ministério da Saúde não está acolhendo novas adesões de municípios. O atual governo teve, sim, o bom senso de mantê-lo, pressionado pela enorme demanda, pela aprovação popular ao programa e, talvez, por não contar hoje com alternativas a ele.

    Creio que este é um ponto que merece reflexão. O governo deve rever essa posição, atendendo ao clamor de tantas pessoas que precisam e dependem do Mais Médicos, e tentar melhorá-lo. Se o programa não fosse bom, não teria a adesão que tem no estado e não teríamos a fila de municípios que desejam contar com ele. A desinteligência política não deve ser fator impeditivo para fortalecer uma coisa que tem assim tão ampla aceitação.

    Muita coisa precisa ser feita pela saúde em Mato Grosso. Mas este é um bom programa.

    Assinatura Coluna Fabrício

    Deixe um comentário

    Please enter your name here
    Please enter your comment!

    DESTAQUES

    Bairro Cuiabá História Municípios Policia
    Polícia Civil prende filho acusado de matar pai por esganadura em Confresa
    Ex-prefeito, pai de brasileira morta chega ao Paraguai e nega prisão de suspeito
    Marido mata homem porque ele olhou sua mulher dançar em festa de aniversário
    Assembléia Legislativa Câmara Municipal Eleições 2018 Governo Judiciário Partidos Prefeitura
    Arquiteta teria fugido por acreditar que acidente se tratava de assalto, dizem testemunhas
    Ritmo de campanha: Taques cola em Dante, Mauro em Blairo e Wellington no verde; ouça jingles
    Janaina Riva aposta em segundo turno entre Wellington e Mendes
    Agricultura Agropecuária Economia Agrícola Indicadores Agrícolas Pecuária Tecnologia Agrícola
    Cinco unidades do Indea são revitalizadas com recursos de Fundos
    Soja tem cenário promissor e área plantada deve crescer
    Setor de couro quer melhorar qualidade e aumentar exportações
    Artes Cênicas Artes Plásticas Artesanato Cinema Comportamento Cultura Popular Gastronomia LIteratura Música
    Sesc Arsenal oferta minicurso sobre adaptação literária em multimídia neste sábado
    Evento circense reúne artistas da América Latina em Cuiabá com apresentações ao público
    Fotógrafos profissionais e amadores terão consultorias gratuitas nesta semana
    Corrupção Economia Eleições Estados Política
    Comitê para Migrações repudia agressões a venezuelanos
    Pesquisa da CNI mostra melhora na confiança dos empresários
    Temer e ministros discutem situação de venezuelanos em Roraima
    Concurso Dicas Estágio Vagas de Emprego no Mato Grosso
    Começam inscrições para concurso docente da UFMT
    Por R$ 23 mil, Tribunal de Justiça de Mato Grosso lança concurso para magistratura
    Sejudh abre concurso para agentes penitenciários com salários de até R$ 3 mil
    X