R$ 36 mi por ano: 10% do orçamento do TCE são gastos em “penduricalhos”

Além de conselheiros e procuradores de contas, 366 auditores têm direito ao benefício

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT) gasta anualmente mais de R$ 31 milhões só com verbas indenizatórias para seus servidores. No total, 366 auditores são beneficiados com o dinheiro.

Em julho, o LIVRE já havia revelado que as verbas indenizatórias pagas a conselheiros e procuradores de contas somavam R$ 5 milhões por ano.

Na época, a reportagem requereu – via Lei de Acesso à Informação – a lista de outros funcionários da Corte que também recebiam benefícios semelhantes.

Somando-se os valores pagos a auditores, conselheiros e procuradores, o TCE-MT gasta mais de 10% de seu orçamento só com as verbas indenizatórias.

São R$ 36 milhões gastos todos os anos, em tese, para bancar as despesas geradas pelo exercício profissional dessas pessoas.

Os auditores

Entre os 366 funcionários beneficiados, 165 são auditores externos. E este é o cargo com o maior valor de verba indenizatória. Cada um recebe R$ 9,5 mil por mês, o que totaliza R$ 18,8 milhões no fim de cada ano.

Em segundo lugar aparecem sete auxiliares de controle externo que ganham mensalmente R$ 6,9 mil. No fim do ano, só eles gastam R$ 579,6 mil.

Há ainda 161 técnicos públicos de controle externo, que ganham R$ 5,5 mil por mês e 28 agentes de apoio técnico, que recebem R$ 3,4 mil mensalmente.

O TCE-MT deixou de informar quanto é pago aos cinco agentes de saúde, que também têm direito ao benefício.