Projeto quer proibir pesca em Mato Grosso

Líder da Associação de Lojistas de Caça e Pesca entende que o projeto vai atrapalhar os que têm a pesca como fonte de renda

Ilustrativa/Pixabay

Mensagem do governo do Estado que proíbe a pesca amadora nos rios de Mato Grosso foi alvo de audiência pública, proposta pelo deputado Elizeu Nascimento (DC). Realizada nesta terça-feira (2), na Assembleia Legislativa, levantou, dentre outras questões, possível impacto nas comunidades ribeirinhas, já que algumas populações têm na prática, sua fonte de renda.

O projeto tem gerado polêmica, como foi em 2012, quando o deputado Zeca Viana (PDT) apresentou proposta semelhante. Já neste ano, a deputada Janaina Riva (MDB) chegou a propor um projeto estabelecendo a cota zero para o pescado durante cinco anos. Mas como foi enviada depois da mensagem do governo, ela passou a apoiar a proposta.

Pescadores de colônias de Santo Antônio de Leverger e de Barão de Melgaço participaram da audiência na AL. Em uníssono, são contra o projeto do governo. Para apoiá-los, o deputado Elizeu Nascimento garantiu que apresentará um substitutivo integral para a proposta estabelecendo regras mais duras para quem pesca irregularmente.

O projeto do governo proíbe o transporte, armazenamento e comercialização do pescado por um período de cinco anos. Depois desse período a cota será estabelecida por decreto do governador.

O secretário executivo da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), Alex Marega, disse que o projeto não proíbe a pesca, destacou que o pescador poderá pegar o peixe para consumo na beira do rio. Segundo ele, apenas o comércio está proibido a partir de 2020.

Alex afirma que a pesca de subsistência não está proibida, ele conta que a mensagem não estabelece uma quantidade máxima de peixe para se tirar dos rios para alimentação das famílias.

Outro ponto de destaque no projeto é de que o governo do Estado oferecerá cursos de qualificação profissional aos trabalhadores que vivem da pesca atualmente.

Atrapalhando os pequenos

Para a vice presidente da Associação de Lojistas de Caça e Pesca, Nilma Silva, o projeto do governo vai atrapalhar os pequenos. Ela ressalta ainda a questão cultural da atividade pesqueira, sobretudo na região do Vale do Rio Cuiabá.

Ela acredita que a medida irá atingir fortemente a cadeia produtiva que engloba 100 mil empregos diretos e indiretos. “Eu convido aos deputados e ao governador para conhecer o comércio de iscas vivas, quero que eles vejam a nossa dura realidade”, destacou já que o comércio de iscas também será prejudicado pelo projeto do governo.

O projeto do governo foi lido na Assembleia Legislativa em 25 de junho de 2016 e está em pauta até o dia 09 de julho.

Confira a audiência na íntegra:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJardim Cuiabá ganha centro dedicado ao esporte amador
Próximo artigoPermínio está despreocupado

O LIVRE ADS