Mesa Diretora da Câmara diz não ver elementos para abrir processo contra Emanuel

Ednilson Aguiar/O Livre

Câmara Municipal de Cuiabá

Mesa Diretora da Câmara sinaliza que não irá abrir procedimento de investigação contra prefeito

A Câmara de Cuiabá não deve adotar qualquer iniciativa contra o prefeito Emanuel Pinheiro (PMDB), flagrado em vídeo recebendo dinheiro supostamente fruto de propina. Em um post no Facebook, Emanuel disse que o vídeo foi deturpado.

VEJA A COBERTURA COMPLETA DA DELAÇÃO DE SILVAL

O presidente da Mesa Diretora do parlamento, vereador Justino Malheiros (PV), classificou a situação como “extremamente delicada”, mas ponderou ainda não haver informações, nem sobre a origem do vídeo, nem do dinheiro que o prefeito recebeu.

Líder de Emanuel na Câmara, o vereador Lilo Pinheiro (PRP) acreditar não haver brecha jurídica para uma investigação no parlamento.

O pedido de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) deve ser oficializado na próxima sessão plenária, terça-feira (29), pelo vereador Marcelo Bussiki (PSB).

Emanuel

Justino afirmou que, se o pedido obtiver o número necessário de assinaturas – nove -, dará andamento ao requerimento.

Lilo, por sua vez, defende que, como se trata de um fato ocorrido antes de Emanuel assumir a prefeitura, a CPI não tem respaldo jurídico.

Justino e Lilo passaram a manhã desta sexta-feira (25) na presidência da Câmara recebendo jornalistas. Também passaram pelo gabinete os vereadores Dilemario Alencar (PROS) – primeiro-secretário da Casa -, Chico 2000 e Elizeu Nascimento.

Tanto o líder quanto o presidente afirmaram só ter conversado com o prefeito por telefone. Justino deve se reunir com Emanuel pessoalmente ao meio dia de hoje, no Palácio Alencastro.

Sobre as imagens e o dinheiro, Lilo afirmou que Emanuel apenas lhe garantiu não se tratar um ato ilícito.

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMercado de flores sobrevive à crise
Próximo artigoFuturo de Emanuel está nas mãos da Câmara, analisam especialistas