Futuro de Emanuel está nas mãos da Câmara, analisam especialistas

Emanuel

O futuro de Emanuel Pinheiro (PMDB) à frente de prefeitura de Cuiabá está nas mãos da Câmara Municipal. É o que apontam juristas ouvidos pelo LIVRE na manhã desta sexta-feira (25/08), horas depois da divulgação de um vídeo em que o prefeito aparece recebendo dinheiro do então chefe de gabinete de Silval Barbosa no Palácio Paiaguás.

 

O arquivo foi entregue na delação do ex-governador, que afirma ter repassado R$ 600 mil a Emanuel e a outros deputados para que não criassem entraves a obras do programa MT Integrado. 

VEJA A COBERTURA COMPLETA DA DELAÇÃO

Na Câmara, já existe uma mobilização para a abertura de CPI. A Mesa Diretora, no entanto, diz não ver elementos para investigar Emanuel. Em um post no Facebook, o prefeito disse que o vídeo foi “deturpado”, mas não explicou a origem do dinheiro.

Ato anterior ao mandato

Ednilson Aguiar/O Livre

 Advogado José Eduardo Alckmin

O advogado José Eduardo Alckmin

O jurista José Eduardo Alckmin, ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ressalta que os fatos são anteriores ao atual mandato de prefeito e, por esta razão, não seria razoável afastá-lo.

“No ângulo do impeachment, eu entendo que o fato praticado antes do agente político estar investido no mandato não pode constituir ato de afastamento. O impeachment é um desvio funcional, algo que é praticado no exercício da função e contamina a pureza que deve haver nesse mesmo exercício do poder”, explica.

E cita um exemplo. “O fato de uma pessoa ter cometido um deslize muitos anos antes de assumir o cargo seria suficiente para perder o cargo? A meu ver, não. Ele responderia pelo crime comum”, afirma.

Por estar na condição de prefeito, Emanuel tem foro privilegiado e deve ser julgado criminalmente pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso.

Governabilidade

“Tanto no crime eleitoral como no crime comum, você tem que analisar como um prefeito respondendo a uma ação penal poderá continuar como prefeito”, afirma o advogado Hélio Ramos.

De acordo com ele, os vereadores de Cuiabá, caso decidam abrir um procedimento contra o mandato de Emanuel, teriam que se basear na Lei Orgânica Municipal.

““É lógico que o vídeo é muito constrangedor, na melhor das hipóteses”

A legislação coloca a cargo da Câmara “processar, julgar e decretar a perda do mandato do prefeito, vice-prefeito e dos vereadores, bem como os secretários municipais” em casos de crimes com previsão na Constituição.

Ramos pondera que é preciso, antes de qualquer coisa, garantir o direito à defesa do prefeito. 

“Primeiro, a gente tem que resguardar o direito da ampla defesa. Hoje em dia, em geral, a condenação midiática antecede qualquer condenação jurídica”, diz.

“É lógico que o vídeo é muito constrangedor, na melhor das hipóteses. Mostra um deputado, dentro do Palácio Paiaguás, recebendo um pacote de dinheiro. Mas isso ainda tem que ser analisado”, afirma o advogado.

As ações do prefeito devem ser vistas sob o ponto de vista dos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência, conhecidos como LIMPE.

“No ângulo do impeachment, entendo que o fato praticado antes do agente político estar investido no mandato não pode constituir ato de afastamento”

Caso os vereadores resolvam afastar Emanuel, o vice-prefeito Niuan Ribeiro (PTB) assumiria o cargo até o final do mandato, em 2020.

Se, por qualquer razão, Niuan não puder assumir, seriam convocadas novas eleições em até 90 dias depois do afastamento do prefeito.

De acordo com Ramos, é preciso analisar a tipicidade da conduta, ou seja, em que tipos de crimes previstos na lei ele pode se encaixar.

Se o dinheiro recebido era dos cofres públicos e se ele recebeu em razão de sua função, ficaria configurado o peculato. “É a primeira questão criminal”.

Com relação à questão eleitoral, Ramos indica que o código eleitoral prevê penas para o crime de caixa 2, mas que se aplicariam apenas ao mandato de deputado, que ele exercia à época da gravação. “Então, não repercute na eleição de prefeito”, diz.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMesa Diretora da Câmara diz não ver elementos para abrir processo contra Emanuel
Próximo artigoRoger Abdelmassih é transferido para presídio de Tremembé