Mauro Savi, Paulo Taques e outros réus da Bereré não usarão tornozeleira

Eles são acusados de movimentar R$ 30 milhões em esquema de corrupção no Detran

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Os réus da Operação Bereré que deixarão a prisão nesta sexta-feira (24) não terão que usar tornozeleira eletrônica. A medida cautelar mais restritiva definida pelo desembargador José Zuquim Nogueira foi que eles permaneçam em casa no período noturno e nos dias de folga. Além disso, terão que comparecer mensalmente em juízo, para informar e justificar suas atividades, pelo período de 6 meses, e estão proibidos de deixar o país.

Devem deixar a prisão nas próximas horas o deputado estadual Mauro Savi (DEM), o ex-secretário-chefe da Casa Civil Paulo Taques, seu irmão, o advogado Pedro Jorge Taques, Claudemir Pereira dos Santos “Grilo” e Roque Anildo Reinheimer. Todos foram presos na Operação Bônus, segunda fase da Bereré, em 9 de maio.

Acusados de integrar uma organização criminosa, formada também por empresários e deputados estaduais, que supostamente desviou mais de R$ 30 milhões em um esquema de corrupção no Departamento Estadual de Trânsito (Detran), eles tentaram por diversas vezes obter a liberdade. Conseguiram o habeas corpus na noite de quinta-feira (23), em uma decisão do pleno do Tribunal de Justiça.

Operação Bereré

O esquema de corrupção no Detran passou a ser investigado após delação premiada do ex-presidente da autarquia Teodoro Lopes, o “Dóia”. A operação Bereré foi deflagrada pelo Grupo de Atuação e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) em fevereiro deste ano.

A primeira fase da operação resultou na intervenção do Estado junto à administração do Detran, por decreto do governador Pedro Taques. Ele determinou que o pagamento quanto aos serviços prestados pela EIG Mercado – pivô da investigação – fosse repassado ao Estado. A intervenção ainda está em vigor.

Já a segunda fase da operação, denominada Bônus, foi deflagrada no dia 9 de maio. Foi quando houve a prisão do ex-secretário-chefe da Casa Civil Paulo Taques, do advogado Pedro Zamar Taques, do deputado estadual Mauro Savi e dos empresários Claudemir Pereira dos Santos, Roque Anildo Reinheimer e Valter Jorge Kobori. Este último conseguiu liberdade junto ao Supremo Tribunal Federal (STF).

A denúncia foi oferecida pelo Ministério Público contra 58 pessoas investigadas. O Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) acatou a denúncia nesta quinta-feira (23).​

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAnalista alerta que perfil do investidor do agronegócio está mudando
Próximo artigoSem passaporte, venezuelanos enfrentam caminhadas para obter refúgio