Mais de 2 mil servidores receberam R$ 1,5 mi de auxílio emergencial em MT

Maioria dos servidores está na ativa e trabalha nas secretarias de Educação e de Saúde, conforme o TCE

Pagamento do auxílio emergencial reuniu centenas de pessoas em frente a agências da Caixa Econômica (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Mais de 2 mil servidores públicos de Mato Grosso receberam irregularmente o auxílio emergencial, pago pelo governo federal para suplementar a renda de pessoas pobres durante a pandemia. 

O valor que caiu na conta bancária de 2,1 mil servidores soma cerca de R$ 1,5 milhão. Os números estão em levantamento divulgado nesta quinta-feira (17) pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). 

Conforme o tribunal, o valor corresponde à primeira parcela do auxílio e foi pago entre abril e maio.

O levantando identificou 2.103 servidores estaduais no cadastro de beneficiados. Desses, 1.684 (80%) receberam o valor mínimo de R$ 600 e outros 419 (19,9%) receberam o valor máximo, de R$ 1,2 mil. 

Os servidores beneficiados estão lotados em 14 órgãos que representam 67,4% dos beneficiados. A maioria (57%) está na Secretaria de Estado de Educação (Seduc), seguidos pelos da Secretaria de Estado de Saúde (SES) com 5,5%. 

A segunda maior parcela de beneficiados está entre servidores inativos e pensionistas, que recebem salário pelo Mato Grosso Previdência (MTPrev). Eles corresponderam 32,5% no universo de cadastros identificados pelo TCE. 

Ainda segundo o levantamento, dos 2.103 servidores estaduais beneficiados indevidamente, 1.130 estão inscritos no Cadastro Único (53,73%) e 300 no Bolsa Família (14,27%).

Parte dos beneficiados pode ter recebido auxílio automaticamente por conta dessas inscrições. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJustiça suspende contrato de transporte escolar cobrado durante a pandemia
Próximo artigoJuiz determina penhora de imóvel de candidato ao Senado em MT