Juíza suspende ordem de Trump de restringir imigrantes

A juíza federal Ann Donnelly aceitou um pedido da União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU, da sigla em inglês) na noite deste sábado (28) para conceder estadia de emergência e suspender as deportações de refugiados e imigrantes de sete países nos Estados Unidos após o veto do presidente Donald Trump. As informações são da CNN e do ‘Washington Post’.

Segundo a decisão da juíza, o governo não pode retirar do país os refugiados que já tiveram seu pedido aprovado pelo Serviço de Imigração do país e estejam com os vistos regulares para permanecerem e chegarem aos EUA. O governo ainda não se pronunciou sobre a decisão judicial. 

A restrição imposta por Trump, com validade de 90 dias, atinge pessoas que tenham nascido no Iraque, Iêmen, Síria, Irã, Sudão, a Líbia e Somália. Além disso, o plano suspende o programa norte-americano de refugiados por 120 dias. Em retaliação, o Irã anunciou neste sábado que vai aplicar a reciprocidade e proibirá a entrada de americanos durante esse período.

De acordo com o jornal “The New York Times”, já neste sábado, foram barrados um cientista iraniano que iria a um laboratório de Boston, um iraquiano que trabalha como intérprete há uma década e uma família de refugiados que iria recomeçar a vida em Ohio, entre inúmeros outros casos. 

O decreto firmado por Trump não bloquearia de forma imediata a entrada de refugiados, mas estabelece barreiras para a concessão de vistos, de acordo com a France Presse. No ano fiscal de 2016 (1º de outubro de 2015 a 30 de setembro de 2016), os Estados Unidos admitiram em seu território 84.994 refugiados, de diversas nacionalidades, incluindo 10 mil sírios. A intenção do novo governo é reduzir drasticamente este número, o que no caso dos sírios pode chegar a 50%.

Críticas
A decisão do governo Trump dividiu as opiniões de líderes mundiais neste sábado (28). Ministros canadenses, alemães, franceses e turcos criticaram a decisão do presidente norte-americano. A manifestação mais contundente de repúdio ao decreto de Trump veio de um vizinho, o Canadá. 
Justin Trudeu, primeiro-ministro canadense, disparou uma série de mensagens no Twitter ressaltando a receptibilidade do país. “Para aqueles que fogem da perseguição, terror e guerra, os canadenses irão recebê-los, independentemente da sua fé”, comentou. “Diversidade é a nossa força”, completou. 
Os ministros das Relações Exteriores da França e Alemanha afirmaram estar “preocupados” com as decisões de Trump e destacaram que “acolher refugiados que fogem da guerra é parte de nosso dever”.
“Vamos entrar em contato com nosso colega [norte-americano] Rex Tillerson quando for nomeado para discutir ponto por ponto e ter uma relação clara”, disse o chefe da chancelaria francesa, Jean-Marc Ayrault, após se reunir com o colega alemão, Sigmar Gabriel, em Paris. O nome de Tillerson como secretário de Estado ainda aguarda confirmação do Senado dos EUA.
“Acolher refugiados que fogem da guerra é parte de nosso dever. Devemos nos organizar para fazer isto de maneira equitativa, justa, solidária”, disse Ayrault. “Precisamos de clareza, coerência e, se necessário, firmeza para defender nossas convicções, nossos valores, nossa visão de mundo, nossos interesses, franceses, alemães e europeus”, disse o ministro francês.
A primeira-ministra britânica, Theresa May, não condenou a decisão dos EUA. “Os Estados Unidos são responsáveis pela política americana sobre os refugiados. O Reino Unido é responsável pela política britânica sobre os refugiados”, afirmou May em Ancara, na Turquia, onde participou de um encontro com o premiê turco, Binali Yildirim. 
Ele, por sua vez, criticou as recentes medidas de Trump para conter a entrada de imigrantes. “Não podemos resolver este problema dos refugiados erguendo muros”, disse Yildirim, fazendo menção à decisão tomada por Trump de construir um muro na fronteira com o México.

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorOperação resulta em 104 pessoas presas em flagrante
Próximo artigoTaques descarta exonerar Fávaro e encerra disputa pela Sema

O LIVRE ADS