Ideias opostas: vacinação compulsória é tema de dois projetos na ALMT

Proposta favorável a obrigatoriedade é de Eduardo Botelho (DEM) e a contrária é de Silvio Fávero (PSL)

Dois projetos que discutem a obrigatoriedade ou não da vacinação contra a covid estão em andamento na Assembleia Legislativa de Mato Grosso. O tema está em alta nas discussões nacionais e a polêmica já estendeu para os Estados, após o Supremo Tribunal Federal (STF) reconhecer com constitucional a imunização compulsória.

Aqui, enquanto o presidente do Legislativo, deputado Eduardo Botelho (DEM) é o autor do projeto lei 3/2021 que institui o Programa Emergencial de Vacinação e impõe a obrigatoriedade da imunização em território mato-grossense prevendo até penalidades aos cidadãos, o deputado Silvio Fávero (PSL) é o autor de um projeto que regulamenta a lei federal nº 13.979/2020 para assegurar o direito individual de cada cidadão em vacinar-se ou não contra a covid-19.

Vacina obrigatória

Na proposta de Botelho, o cidadão que não se vacinar estará sujeito a penalidades e privado de atividades e serviços. O texto prevê que o comprovante de vacinação seria necessário para obtenção de documentos públicos, inscrição em concursos públicos, ingresso em cargos públicos e demais modalidades de prestação ou relação com poderes públicos.

Também impõe a obrigatoriedade do cidadão comprovar que tomou vacina para ter acesso às creches, estabelecimentos de ensino fundamental, médio e superior, públicos ou particulares, de crianças, alunos, professores, funcionários e prestadores de serviço. A comprovação seria necessária ainda para embarcar em aeronaves, embarcações, trens, ônibus, metrô e demais modais de transporte.

Vacina Opcional

Por outro lado, Fávero propõe assegurar o direito do cidadão mato-grossense escolher ou não pela sua vacinação, fixa o direito de escolha pela vacinação como algo individual e proíbe que o governador e a secretária de Saúde estabeleçam a obrigatoriedade da vacinação.

O parlamentar ainda defende que os pais ou responsáveis poderão escolher pela vacinação ou não dos mato-grossenses com idade inferior a 14 anos de idade.

Na justificativa, Fávero coloca em xeque a eficácia das vacinas contra a covid-19.

“O projeto visa também evitar que a vacinação seja compulsória, eis que, atualmente, subsiste insegurança quanto à eficácia e eventuais efeitos colaterais das vacinas, onde apresentam um risco que, sem dúvida alguma, é irreparável, já que os efeitos a curto, médio e longo prazo da vacina são desconhecidos, a obrigatoriedade de ser vacinado se mostra inconstitucional, já que colocará vidas em risco”, diz.

Entendimento do STF

Em julgamento realizado no dia 17 de dezembro de 2020, por 10 votos a 1, o Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu a constitucionalidade do Estado impor a obrigatoriedade de vacinas, incluindo contra o coronavírus.

A decisão foi dada nos autos de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) de autoria do Partido Democrático Trabalhista (PDT).

Foi decidido que o Estado pode determinar se a vacinação da população será obrigatória, sendo afastadas medidas invasivas como o uso da força para exigir a imunização.

Prevaleceu o entendimento de que a vacinação compulsória pode ser implementada por medidas indiretas, como a restrição ao exercício de certas atividades ou à presença em determinados lugares.

Também foi definido que pais são obrigados a levar os filhos para vacinação conforme prevê o calendário de imunização, devendo ser afastadas convicções filosóficas.

A tese fixada, de repercussão geral, foi a seguinte: “é constitucional a obrigatoriedade de imunização por meio de vacina que, registrada em órgão de vigilância sanitária; tenha sido incluída no programa nacional de imunizações; tenha sua aplicação obrigatória determinada em lei; seja objeto de determinação da união, estados e municípios, com base em consenso médico científico. Em tais casos, não se caracteriza violação à liberdade de consciência e de convicção filosófica dos pais ou responsáveis, nem tampouco ao poder familiar”.

O único voto contrário foi do ministro Kássio Nunes Marques. Mais novo ministro do STF, apresentou ressalvas sobre a obrigatoriedade, defendendo que ela é “medida extrema, apenas para situação grave e cientificamente justificada e esgotadas todas as formas menos gravosas de intervenção sanitária”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEnem mantido em MT
Próximo artigoTJ reformula liminar e empresa de transporte precário perde autorização para atuar