Governo de MT aposenta 200 servidores por mês; Mendes vê colapso em 2022

Receita do MT Prev é de R$ 170 milhões, mas o gasto é de R$ 270 milhões

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Todos os meses, o governo de Mato Grosso aposenta 200 servidores públicos. Se o ritmo continuar assim, a Previdência do Estado deve chegar ao colapso em 2022, quando vão existir mais aposentados do que servidores na ativa.

A afirmação é da gestão do governador Mauro Mendes (DEM), que destaca ainda não ter uma alternativa para o atual regime de Previdência do Estado.

Mendes, assim como outros governadores do país, esperava que a reforma debatida no Congresso Nacional incluísse, além dos trabalhadores do regime geral e servidores da União, os funcionários públicos dos demais entes da federação. O que acabou não ocorrendo.

Diante disso, o governador alerta que Mato Grosso vai precisar de mais recursos, se nada for mudado. Atualmente, o Estado tem que usar – todos os meses – cerca de R$ 100 milhões da arrecadação de impostos para bancar todas as aposentadorias.

“Ou mudamos isso ou vai quebrar a Previdência e o bolso da sociedade, que vai precisar pagar mais e mais impostos”, afirma Mendes.

Atualmente, os servidores da ativa contribuem com 11% de seus salários e o governo injeta mais 22% para abastecer o caixa do MT Prev. Isso gera, ainda de acordo com o governo, uma receita de R$ 170 milhões, quando o valor total de todas as aposentadorias chega a marca de R$ 170 milhões.

Só em 2019 as aposentadorias e pensões pagas pelo governo do Estado já consumiram R$ 1,5 bilhão. No ano passado, o total gasto com elas foi de R$ 3,3 bilhões. 

LEIA TAMBÉM

Neurilan defende que municípios estejam na reforma da Previdência

Confira principais pontos do texto-base da reforma da Previdência

Câmara deve iniciar na terça-feira discussão sobre reforma da Previdência

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPetrobras reduz preços da gasolina e do diesel para distribuidores
Próximo artigoDo Centro à periferia: porque a proliferação de pombos em Cuiabá é preocupante