Gilmar Mendes arquiva ação que questionava cobrança do Fethab em MT

Sociedade Rural Brasileira alegava aumento de custos para produtores rurais, após novo Fethab

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, arquivou a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) que queria invalidar o Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) em em Mato Grosso. A ação foi protocolada em 10 de fevereiro pela Sociedade Rural Brasileira (SRB).

Em nota publicada no site da SRB, a instituição justificou que o ingresso da ADI foi motivado por “claros indícios de inconstitucionalidade” em relação ao aspecto tributário e violações econômicas e orçamentárias.

A SRB alegou que o Fethab tem causado aumento de custos para os agricultores mato-grossenses, e que a categoria só vinha tolerando a cobrança do tributo porque existia confiança no compromisso dos governo em usar os valores arrecadados para obras de infraestrutura.

Em 2019, o governador Mauro Mendes (DEM), em um de seus primeiros atos enquanto chefe do Poder Executivo estadual, encaminhou para a Assembleia Legislativa de Mato Grosso o pacote de projetos que ficou conhecido como “Pacto por Mato Grosso”.

Entre as medidas, estava o novo Fethab, que aumentou o percentual da alíquota cobrada pelo Estado sobre commodities agrícolas, inclusive, criando cobrança sobre novos produtos como o milho, carne e cana-de-açúcar.

Com as alterações do Fethab, a perspectiva de arrecadação do Estado passou de menos de R$ 1 bilhão para mais de R$ 1,5 bilhão.

A reclamação dos produtores rurais é que apenas 30% desse valor tem sido aplicado em infraestrutura – que continua sendo o principal gargalo para o escoamento da produção agropecuária no Estado.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMais um game vai chegar ao Cinema; gravações começam este mês
Próximo artigoSem ânimo