“Gangue do Rolex”: ladrões levam relógios e celulares em cruzamentos de Cuiabá

Até o momento, um caso consumado já foi registrado e a Polícia Civil tem conhecimento de uma outra tentativa de roubo do relógio de luxo

(Foto: Hassan Mehdi / Pexels)

Mensagens que circulam em aplicativo de mensagens chamam a atenção para a atuação de ladrões que estariam roubando celulares e relógios de luxo da marca Rolex, em Cuiabá. A Polícia Judiciária Civil (PJC) confirma que ao menos um caso já foi consumado e há registro também de uma tentativa frustrada.

Conforme as mensagens, os ladrões agem enquanto as vítimas estão paradas em cruzamentos da cidade, sobretudo em carros de luxo.

Segundo o texto, a região do trevo do bairro Santa Rosa seria a mais visada pelos criminosos, porém, o caso registrado na polícia aconteceu na região central da cidade.

Roubo consumado

O titular da Delegacia Especializada em Roubos e Furtos da Capital, Guilherme Bertoli, informa que um registro foi formalizado. É o caso do roubo consumado.

De acordo com a narrativa da ocorrência, a vítima estava parada em um semáforo na Avenida Getúlio Vargas, no semáforo que dá acesso à Avenida Estevão de Mendonça, no bairro Centro Norte, por volta das 10h15 do último sábado (30).

Um motociclista jovem, com uma mochila de entrega por aplicativo chegou, parou ao lado do carro e, com uma pistola, bateu no vidro do condutor e anunciou o assalto, sem se importar com os demais veículos que estavam na rua naquele momento.

Relógio de R$ 100 mil

O motorista entregou o seu Rolex e o assaltante foi embora. A vítima disse que toda a ação foi muito rápida e não conseguiu pegar detalhes do assaltante ou de sua motocicleta.

O relógio levado, conforme pesquisas na internet, tem o custo a partir de R$ 100 mil.

Bertoli comenta que uma outra tentativa de roubo de relógio Rolex também aconteceu neste final de semana, na mesma região, mas a vítima tem o carro blindado e por isso, o ladrão não conseguiu consumar o roubo.

Entretanto, o fato não foi formalmente comunicado à polícia. Não há confirmação se seria o mesmo ladrão nos dois casos.

Apuração

O delegado explica que não se pode confirmar que se tratam de bandidos vindos de São Paulo, mas, sim, que agem como os registros vistos em SP nos últimos dias. Criminosos se passam por entregadores de aplicativo e cometem crimes.

Bertoli reforça a orientação para que as vítimas registrem a ocorrência policial, para que os casos sejam devidamente investigados.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDia do trabalhador: pessoas com deficiência ainda não têm muito o que comemorar
Próximo artigoTRF-1 mantém preso lobista investigado por tráfico de cocaína