Dia do trabalhador: pessoas com deficiência ainda não têm muito o que comemorar

Dados de 2021 mostram que as pessoas com deficiência que têm emprego formal no Brasil representam apenas 1% dos profissionais contratados

(Foto: Foto de cottonbro no Pexels)

O Dia do Trabalhador, comemorado neste 1º de maio, deve ser também um momento de reflexão: o trabalho é um direito atribuído constitucionalmente a todos os cidadãos brasileiros. Mais do que um direito, trabalho é sinônimo de autonomia, protagonismo e autorrealização, além de ser indispensável ao desenvolvimento e à prosperidade social.

No entanto, em se tratando de mercado de trabalho, as pessoas com deficiência (PcDs) ainda enfrentam muitos desafios. A Lei de Cotas (8.213/91), que completa 31 anos de existência neste 2022, determina que as empresas que têm a partir de 100 funcionários destinem de 2% a 5% de suas vagas a profissionais com deficiência, de acordo com o número de colaboradores. Mas esse tipo de inclusão, de acordo com o Conade (Conselho Nacional dos Direitos das Pessoas Portadoras de Deficiência Física), ainda esbarra em muitas dificuldades para o deficiente.

Dados de 2021 da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) mostram que as pessoas com deficiência que têm emprego formal no Brasil representam apenas 1% dos profissionais contratados em regime CLT. Traduzindo em números: elas são apenas 486 mil entre 46,63 milhões de pessoas com carteira assinada.

Para o profissional com deficiência, o desafio é conseguir um emprego; para as empresas, é promover ambientes inclusivos e igualitários. O Defensor Público Federal André Naves defende que empreendimentos e atividades econômicas que contem com a participação ativa de pessoas com deficiência deveriam ser incentivados tributariamente pelos governos.

“A garantia ao trabalho funciona como um propulsor da autonomia, da dignidade e de novas e importantes capacidades, que possibilitam gerar desenvolvimento para toda a sociedade. Esses dispositivos tributários devem ser harmonizados com toda a nossa estrutura jurídica e tributária. É nesse sentido que uma Reforma Tributária que traga em seu bojo, além da desburocratização, simplificação e desoneração, incentivos à inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho, é necessária e urgente. Poderíamos elaborar uma série de incentivos tributários às doações que fomentem o florescimento de todo um aparato paraestatal inclusivo”, comenta.

André Naves destaca ainda que as inovações tecnológicas deste século 21 permitem a superação de diferentes barreiras, possibilitando a criação de mercados de trabalho plurais, diversos e inclusivos.

“O problema é que a formação dessas pessoas continua a ser alegada como impeditiva à plena inclusão. Trata-se de visão míope, já que todos os setores sociais historicamente excluídos podem encontrar em ambientes inclusivos e diversos as condições e as ferramentas adequadas ao desenvolvimento de suas capacidades. É necessário que se inverta a lógica de que é preciso formação para que se busque a inclusão. A verdade é que a inclusão fortalece a capacitação! O trabalho inclusivo é essencial ao desenvolvimento das capacidades humanas intrínsecas a cada indivíduo, tão necessárias à prosperidade social com sustentabilidade e justiça”, defende.

Enquanto mais incentivos não chegam, algumas empresas e instituições vêm buscando promover a socialização e a inclusão social de pessoas com deficiência intelectual e psicossocial. É o caso do Grupo Chaverim, uma associação de São Paulo de direito privado e de caráter beneficente que busca dar protagonismo ao próprio processo de desenvolvimento desse público.

Um dos beneficiados é Alexandre Moghrabi, de 27 anos. Ele trabalha desde 2019 no Laboratório Lavoisier, onde exerce várias funções: faz a montagem de kits, encaminha os clientes às salas, carimba documentos, entre outras. No início de 2020, ele foi afastado devido à pandemia de Covid-19, mas retomou a rotina de trabalho no último mês. “Eu gosto muito de trabalhar e fiquei bem feliz de ter voltado”, conta Alexandre.

Já Estela Brick, de 56 anos, foi contratada pelo Serasa por meio do programa de empregabilidade da Associação para o Desenvolvimento Integral do Down (ADID). Ela é auxiliar de escritório há mais de 14 anos, responsável pela organização de planilhas, arquivos, e-mails e cálculos; além de fazer clipping e atendimento por telefone. No período de pandemia, trabalhou em casa, o que não a impediu de manter o reconhecimento da instituição pela sua organização nas tarefas.

Apesar dos avanços nos últimos anos e do interesse de algumas empresas nas contratações, o Defensor Público Federal André Naves destaca que não basta apenas contratar uma pessoa com deficiência para que aconteça a inclusão. É necessário qualificá-la, além de promover adaptações em seu trabalho para que o seu potencial seja aproveitado de maneira produtiva.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorArena Pantanal recebe partida entre Cuiabá e Racing nesta terça-feira
Próximo artigo“Gangue do Rolex”: ladrões levam relógios e celulares em cruzamentos de Cuiabá