Fim das reformas? Reabertura da economia impacta no setor da construção civil

Renda da população foi redirecionada para outros gastos, como lazer, e a venda de material de construção voltou a patamares pré-pandemia

(Foto: Suellen Pessetto/ O Livre)

O isolamento social causado pela pandemia da covid-19 fez surgir um fenômeno: o das reformas de casas pelo país. Pesquisas do setor apontavam que, passando mais tempo dentro de suas residências, os brasileiros começaram a se sentir mais incomodados com detalhes que gostariam de mudar em suas casas e o resultado disso foi um boom das reformas em 2020.

Agora, com a reabertura da economia, o setor da construção civil começa a sentir o efeito contrário. As vendas de cimento, por exemplo, embora tenha registrado aumento em 2021, voltaram a patamares vistos antes do período de isolamento social.

LEIA TAMBÉM

Uma das explicações para Paulo Camillo Penna, presidente do Sindicato Nacional da Indústria de Cimento (SNIC), é que a renda da população foi redirecionada para outros gastos. Serviços como entretenimento e viagens, altamente impactados pela pandemia, voltaram a fazer parte dos dispêndios das famílias e disputar uma parcela da sua renda.

Além disso, “fatores que estiveram por trás do excepcional desempenho em 2020 começaram a enfraquecer em 2021. O elevado nível de desemprego, a diminuição da renda, o aumento expressivo da inflação, da taxa de juros e o alto endividamento das famílias foram as principais razões para o arrefecimento do consumo de cimento”, ele explica.

Auxílio emergencial

Para o setor do cimento, o auxílio emergencial pago pelo governo federal durante 2020 foi essencial para o resultado positivo daquele ano. Tanto é que a região foi a registrou o maior crescimento e, em 2021 (quando o benefício parou de ser pago), foi a com o pior desempenho.

Paulo Camillo Penna sustenta: a redução do auxílio, tanto em valor quanto em abrangência, impactou diretamente esse resultado.

O destaque positivo, no entanto, foi para a região Sul do país, que teve o maior crescimento. Lá, no entanto, houve uma maior movimentação em construções de infraestrutura, principalmente em rodovias estaduais e pavimento urbano.

Perspectiva para 2022

O setor da construção começa 2022 num cenário bem mais desafiador. A economia está em recessão técnica, a taxa de juros está em ascendência, o que impacta os financiamentos imobiliários. Já o poder de compra dos consumidores está diminuindo. Um cenário para que, segundo Paulo Penna, faz com que a populaçã passe a focar suas despesas em bens essenciais como alimentação e vestuário, sobrando menos dinheiro para gastos com construção ou reformas.

“É fundamental termos outros indutores de demanda por cimento, pois estimamos que em 2022, devido a situação política e o grande desafio econômico não favorável no horizonte, fiquemos estagnados entre 0% e 0,5%”, ele diz.

Nesse sentido, segundo o presidente do sindicato, é imprescindível a volta do investimento em infraestrutura e habitação por parte do governo.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior18,5 milhões no ano: MT registra aumento de 40% na queda de raios
Próximo artigoMT recebe 23 mil doses de vacinas para imunizar crianças de 5 a 11 anos