18,5 milhões no ano: MT registra aumento de 40% na queda de raios

Temporais ainda têm causado danos à rede elétrica e dificultado o trabalho de reparo por parte da concessionária responsável pelo setor

Foto: Assessoria

Mato Grosso teve só no ano passado, mais de 18,5 milhões de quedas de raios. O aumento foi de quase 40% em relação a 2020, que teve mais de 13,3 milhões de descargas elétricas.

Os dados são do painel de monitoramento do clima contratado para dar suporte ao trabalho da Energisa.

De acordo com o mapeamento, o aumento na incidência é resultado do choque de massas de ar quente com a umidade, principalmente entre os meses de setembro e novembro, quando todo o Estado foi impactado por temporais. Neste período, houve a queda de mais mil postes por ventanias.

LEIA TAMBÉM

O acompanhamento do clima é usado pela Energisa como apoio nas ações de operação, prevendo, por exemplo, se há necessidade de estar em atenção em um período de forte instabilidade, como vem ocorrendo desde o fim do ano na região do Araguaia.

Em dezembro, uma forte chuva isolou algumas propriedades da região de Canarana e Santa Terezinha. As estradas viraram rios, o que impediu o atendimento rápido aos moradores. E, neste mês, a MT-427 vem sendo interditada por causa da cheia do rio Culuene. A estrada liga Canarana a Gaúcha do Norte.

(Foto: Energisa)

“Em todos os momentos a nossa primeira preocupação é a segurança. Tanto dos clientes, como dos nossos colaboradores. Por isso, sempre utilizamos estratégias para atender as demandas o mais breve possível e, ainda assim, manter as equipes seguras”, explica José Nelson Quadrado Junior, gerente de operações da Energisa em Mato Grosso.

Ainda no Araguaia, as equipes têm encontrado dificuldade também entre os municípios Novo Santo Antonio e Serra Nova Dourada. As estradas estão com trechos de atoleiro e só estão passando veículos com o motor chamado de traçado, o seja, tração nas quatro rodas.

“As viaturas da Energisa têm inclusive apoiado motoristas que ficam presos nessa região”, destacou José Nelson.

Paranatinga e Marcelândia também preocupam

A Energisa também está monitorando a situação em Marcelândia, no Norte do Estado, e Paranatinga, no Sudeste. Em Marcelândia, as equipes estão enfrentando áreas de alagamento para chegar a regiões que precisam de reparo na rede.

“Hoje, por exemplo, um dos nossos focos é Paranatinga que está em estado de emergência. E é muito importante que a população siga as orientações de segurança”, afirma o gerente.

Veja os cuidados que deve tomar:

  • se tiver raio, se proteja, não fique exposto
  • não tente fazer reparos em redes elétricas
  • em caso de tempestades, retire todos os aparelhos eletrônicos das tomadas
  • evite contato com objetos de estrutura metálica que estejam ligados à eletricidade
  • vendo algum cabo partido, saia de perto e acione a Energisa

Em caso de urgência, entre em contato a Energisa pelo aplicativo Energisa On, pelo site www.energisa.com.br, pelo Call Center 0800 646 4196 ou pela Gisa (65) 99999-7974.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPresencial, só com vacina
Próximo artigoFim das reformas? Reabertura da economia impacta no setor da construção civil