Deputado recorrerá de decisão que autoriza cobrança de ICMS em energia solar

O deputado criticou a polêmica decisão do TCE e pretende entrar na justiça para derrubar o veto

Ednilson Aguiar / O Livre

Na tarde desta sexta-feira (16), o deputado estadual Faissal Calil (PV) afirmou que irá ingressar com um decreto legislativo e impetrar um mandado de segurança junto ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT). O objetivo é derrubar a decisão do conselheiro Valter Albano, do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT).

Em decisão monocrática, o TCE suspendeu a vigência da lei promulgada pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), que isenta a tributação de ICMS sobre a energia solar no estado.

Leia também:

Decisão lamentável

O parlamentar classificou como “lamentável” e “absurda” a decisão do conselheiro e garantiu que entrará com recurso junto ao TJ-MT para reverter a nulidade da isenção do ICMS sobre o sol.

O deputado também ingressará com um decreto legislativo junto à ALMT para suspender o despacho de Valter Albano, que apontou que a legislação seria inconstitucional.

“Vamos ingressar com um decreto legislativo suspendendo esta decisão do TCE e também iremos entrar com um mandado de segurança junto ao TJ, que teve sua competência usurpada pelo conselheiro Valter Albano. É o poste mijando no cachorro, infelizmente. Esta decisão é absurda”, afirmou.

TCE “ultrapassou limites”

Ainda de acordo com Faissal, a competência para decidir sobre constitucionalidade ou não de uma legislação oriunda da Assembleia Legislativa é do Tribunal de Justiça e não do TCE. O parlamentar, inclusive, destacou que ao proferir a decisão, Valter Albano desrespeitou a soberania do Poder Judiciário, além da própria ALMT, poder do qual o Tribunal de Contas é um órgão auxiliar.

“Infelizmente, o conselheiro Valter Albano, numa decisão monocrática, suspendeu a vigência da lei, declarando-a inconstitucional. O primeiro ponto é que ele deve respeitar a soberania da ALMT, a vontade popular e, além de tudo, o Poder Judiciário. É competência do Tribunal de Justiça de Mato Grosso decidir sobre a constitucionalidade ou não de uma lei. Ele não é desembargador. Além de tudo, o TCE é um órgão auxiliar da ALMT e não possui esta competência”, completou o deputado.

Com Assessoria 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorButantan entrega mais um milhão de doses de vacinas ao Ministério da Saúde
Próximo artigoAcidente de trabalho: homem morre prensado em moinho