Ex-secretário diz que Saúde de Cuiabá tem “histórico de super compra”

Luiz Antônio Pôssas diz que levantamento preliminar durante sua gestão identificou gasto de R$ 50 milhões com produtos em quantidade excessiva

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

O ex-secretário de Saúde de Cuiabá, Luiz Antônio Pôssas de Carvalho, disse nesta quarta-feira (26) que existe “histórico de super compra de medicamento e insumos” pelo município desde ao menos 2014. 

Segundo ele, levantamento preliminar feito durante sua gestão, de dezembro de 2018 a outubro de 2020, identificou o montante de compra acima do necessário em R$ 50 milhões. 

“Essa quantia foi baixando gradativamente, mas até 2018 havia um montante de R$ 50 milhões, que passou para R$ 29 milhões no ano seguinte. Eram comprados produtos que não tinham muita rotação, ou em quantidade excessiva”, afirmou. 

Pôssas foi ouvido como testemunha na CPI dos Medicamentos da Câmara dos Vereadores, no fim da tarde de hoje. Ele disse que teve conhecimento do problema de medicamento vencido no início de 2019, após assumir o cargo interinamente, quando fez sua primeira visita ao Centro de Distribuição de Medicamento e Insumo (CDMIC). 

“Eu encontrei corredor completo de medicamento vencido, e a partir daí vi que era necessário terceirizar a administração do Centro”, disse. 

Ainda conforme o ex-secretário, na época o CDMIC “tinha problema grave de aquisição e armazenamento” de produtos. Um exemplo citado por ele é o recebimento de medicamento com prazo de vencimento mais curto do que o previsto em contrato. 

O ex-secretário contradisse o depoimento do coordenador de tecnologia de informação da Secretaria de Saúde, Gilmar de Souza Cardoso, com argumento de que os relatórios apresentados pela administração anterior à terceirização eram “insuficientes”. 

Segundo ele, o levantamento de auditoria da Secretaria de Saúde foi interrompido em abril de 2020, por decisão do Tribunal de Contas do Estado (TCE), a pedido de vereadores.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. Na verdade os trabalhos da auditoria foram suspensos pelo Tribunal de Contas, em representação de natureza externa de autoria do Vereador Marcelo Bussiki, deferido pelo Conselheiro Interino Moisés Maciel. Depois da entrega do relatório final. Em 21/08/2019.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCoordenador culpa empresa por falhas no controle de medicamentos em Cuiabá
Próximo artigoPolícia deflagra operação contra esquema de jogo do bicho em cidades de MT e GO