Polícia deflagra operação contra esquema de jogo do bicho em cidades de MT e GO

As investigações identificaram a existência de numerosos cambistas que atuam nos municípios, concretizando apostas ilegais de jogos de azar

(Foto: Polícia Civil)

A Polícia Civil deflagrou na manhã desta quinta-feira (27) a operação “Jogatina II” para cumprimento de 36 mandados de busca e apreensão em pontos identificados como de jogo do bicho e outros crimes assemelhados nas cidades de Barra do Garças, Pontal do Araguaia e Aragarças (GO).

A operação deflagrada com base em investigações da 1ª Delegacia de Polícia de Barra do Garças é um desdobramento da Operação Jogatina, realizada em 2012, que desarticulou um esquema que controlava e explorava o jogo do bicho na cidade.

As recentes investigações trouxeram à tona a existência de numerosos cambistas que atuam na região central do município, concretizando apostas ilegais relacionadas a jogos de azar.

(Foto: Polícia Civil)

As informações chegaram à Polícia Civil através de informes e denúncias anônimas via 197, sendo iniciado o trabalho investigativo que constatou a veracidade dos fatos informados, identificando a atuação de diversas pessoas que utilizam uma espécie de máquina, similares as de cartões convencionais, para materializarem a loteria ilegítima.

Funcionamento da prática ilícita

As investigações apontaram que a prática ilícita ocorre de forma muito bem organizada pelos participantes e de forma exposta para todos os interessados em participar da “loteria”.

Durante as diligências foram identificados 24 cambistas responsáveis por colherem as apostas, sempre acompanhados da máquina de registro, recolhedores/coletores, os quais compareciam nos pontos de venda, retiravam os extratos de apostas, conferiam os valores e repassavam o pagamento ao operador, levando todo o dinheiro e as apostas para o “escritório”.

(Foto: Polícia Civil)

A estrutura do jogo tem três níveis de hierarquia. Os bicheiros ou anotadores são a face mais visível do negócio: vendem as apostas com seus bloquinhos e carimbos. Os gerentes são contadores que cuidam dos bicheiros de determinada área, intermediando o contato e o fluxo de dinheiro aos banqueiros (também conhecidos como bicheiros), a elite financeira do jogo.

Operação

Para o deferimento das ordens judiciais foram apresentados fortes indícios do cometimento da contravenção, elencando a forma como é sistematizada a sua realização. Os pontos de jogos ilegais foram identificados nas cidades de Barra do Garças, Pontal do Araguaia e ramificações em Aragarças (GO).

Segundo o delegado responsável pelas investigações, Adriano Marcos Alencar, a estruturação do ilícito faz diante de uma “organização contravencionista”, com estrutura muito bem organizada, de alcance ainda inimaginável, sem mensurar os grandes prejuízos às vítimas e a geração de lucros ilícitos aos destinatários.

“A maioria dos suspeitos já possuem antecedentes criminais pela mesma contravenção, necessitando assim de uma ação mais enérgica das autoridades constituídas, visando frear a prática da infração penal. Os jogos de azar influem na arrecadação fiscal, pois não possuem o controle do Estado, além do que, a lisura da jogatina fica comprometida, pois não existe órgão de controle fiscalizador sobre as apostas”, disse o delegado.

(Foto: Polícia Civil)

O delegado destacou ainda que o fato de ser praticado de forma reiterada em diversos locais não afasta o caráter ilícito do jogo do bicho, pois no Direito brasileiro o costume não torna sem efeito a lei.

O delegado regional, Wilyney Santana Borges, destacou que a Delegacia Regional de Barra do Garças, em um projeto piloto no estado, está buscando parceira com o Poder Judiciário para criar uma central de investigação de crimes de menor potencial  ofensivo já com mediação e conciliação em sede de delegacia.

“A operação Jogatina II vem para demonstrar a importância das investigações desta natureza, que no cotidiano acabam passando desapercebidas pelas forças de segurança”, disse.

(Foto: Polícia Civil)

A operação, coordenada pelo delegado da 1ª Delegacia de Barra do Garças, Adriano Marcos Alencar, e pelo delegado regional, Wilyney Santana Borges, conta com grande efetivo policial e auxílio operacional de equipes das Delegacias Regionais de Primavera do Leste e Água Boa, bem como de equipes da Gerência de Operações Especiais (GOE), Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) e Delegacia Especializada de Entorpecentes (DRE).

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEx-secretário diz que Saúde de Cuiabá tem “histórico de super compra”
Próximo artigoAdolescentes de Brasília são resgatadas em casa de prostituição em MT