Endividamento das famílias cuiabanas cai em agosto

A redução foi de quase 5%, mas os números ainda assustam. Cerca de 70% têm contas a pagar e 38% não têm dinheiro para isso

(Foto: Freepik)

A crise econômica que caminha no rastro da covid-19 – assim como a taxa de infecção pelo novo coronavírus – parece estar perdendo força. O endividamento das famílias cuiabanas caiu quase 5% em agosto, quando comparado com junho deste ano. Foi o maior resultado desde o início da pandemia.

Os dados são da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e divulgada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Mato Grosso (Fecomércio-MT).

Ainda assim, os números assustam. Quase 70% das famílias afirmaram possuir dívidas. Em agosto do ano passado, eram pouco menos de 65%.

“O auxílio do governo federal contribuiu, positivamente, para a recuperação do consumo, auxiliando no pagamento de despesas dos cuiabanos”, avalia o presidente da Fecomércio-MT, José Wenceslau de Souza Júnior.

O cartão de crédito – como sempre – é o líder dos motivos das dívidas. Cerca de 68% das famílias que têm contas a pagar, as têm por causa dele. No mesmo período do ano passado eram quase 72%.

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Os carnês de compras parceladas aparecem em segundo lugar. Aproximadamente 35% das famílias têm problemas com eles. E o financiamento de carro é o motivo dos débitos de 8% dos cuiabanos.

Inadimplência

A pesquisa mostrou ainda que também reduziu o número de famílias que têm contas atrasadas. Em junho, elas somavam 42,4% do total de entrevistados. Em agosto, esse número diminuiu para 38%.

No entanto, o percentual ainda é maior se comparado a agosto do ano passado, quando 32% das famílias estavam nessa situação.

A quantidade de pessoas que afirmaram não ter condições de pagar essas dívidas atrasadas também caiu, mas de forma não tão expressiva. Em junho eram 17%. Em agosto, passou para 15,7%.

Por outro lado, esse foi o único indicador que reduziu em relação ao ano passado, ainda que de forma bem discreta. Em agosto de 2019, as famílias que não conseguiam pagar suas dívidas atrasadas somavam 16% das entrevistadas.

Rombo no orçamento familiar

Outro dado animador da pesquisa é que a parcela da renda familiar comprometida com o pagamento de dívidas também diminuiu.

Enquanto em junho, pelo menos, 25% do orçamento das famílias era usado só para pagar contas – o maior patamar do ano, até agora – em agosto esse percentual caiu para 23,5%. Um número bem próximo dos 22,8% registrados em agosto do ano passado.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBandidos se passam por policiais, sequestram e roubam quase R$ 6 mil de vítima
Próximo artigoNúmero de barragens críticas cresce 129% no Brasil; MT teve 3 ocorrências