Número de barragens críticas cresce 129% no Brasil; MT teve 3 ocorrências

Em Mato Grosso, das 67 barragens de mineração existentes, 61 não têm cadastro na na Agência Nacional de Mineração

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

No Brasil, o número de barragens em situação crítica – aquelas que apresentam algum risco de rompimento – aumentou 129% em 2019, em comparação com o ano anterior. Os dados são do Relatório de Segurança de Barragens (RSB 2019), da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA).

Ao todo, 156 barragens foram indicadas pelos fiscalizadores com algum comprometimento estrutural importante. O perigo de rompimento é iminente.

A fiscalização se deu no mesmo ano do crime ambiental da mineradora Vale, em Brumadinho (MG), com o rompimento da Barragem I da mina Córrego do Feijão. Mais de 40 mil pessoas foram afetadas e 270 morreram.

O relatório também compilou os acidentes ocorridos em 2019. São 12 relatos de acidente e 58 incidentes com barragens em 15 Estados, entre eles Mato Grosso. No ano passado, foram registrados dois incidentes e um acidente. Os casos foram registrados em Torixoréu, Nossa Senhora do Livramento e Jauru.

LEIA TAMBÉM

(Foto: Reprodução)

Em Mato Grosso, das 67 barragens de mineração existentes, 61 não têm cadastro na Agência Nacional de Mineração (ANM). Isso quer dizer que mesmo estando listadas, a autarquia não possui informações sobre a operação dos empreendimentos.

Em nota, a Secretaria de Estadio de Meio Ambiente (Sema-MT) afirma que está realizando o cadastro das barragens e realizando vistorias em algumas delas, para conhecer a realidade das condições de manutenção e operação.

A regularização das barragens existentes no Estado só ocorrerá a partir do segundo semestre de 2020, segundo o órgão.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEndividamento das famílias cuiabanas cai em agosto
Próximo artigoSem nova delação