Emanuel pede para Gilmar Mendes julgar toque de recolher em MT

Procuradoria Geral de Justiça defende relatoria da ministra Carmen Lúcia e suspensão de decreto municipal que flexibilizou regras de convívio social na pandemia

O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) solicitou que seja transferida ao ministro Gilmar Mendes a reclamação ajuizada no Supremo Tribunal Federal (STF) que questiona a constitucionalidade do decreto do governador Mauro Mendes (DEM), que determina o fechamento do comércio às 19h e toque de recolher em todo o território a partir das 21h.

Inicialmente, a reclamação foi distribuída a ministra Carmen Lúcia. A Procuradoria Geral do Município sustenta que a reclamação deve ser distribuída ao ministro Gilmar Mendes por prevenção. Isso porque uma petição com a mesma natureza foi distribuída a Mendes em julho de 2020.

Posteriormente, por conta do recesso forense, no dia 31 de julho o pedido foi transferido ao então presidente do STF, ministro José Dias Toffoli, que concedeu decisão favorável à Prefeitura de Cuiabá.

Por outro lado, o Procurador Geral de Justiça, José Antônio Borges, protocolou petição solicitando o indeferimento da transferência da reclamação ao ministro Gilmar Mendes.

Ao mesmo tempo, alegou que a autonomia do município foi preservada na Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) de sua autoria, pois a decisão do desembargador Orlando Perri suspendeu pontualmente trechos do decreto do prefeito Emanuel Pinheiro.

Borges negou que o Ministério Público tenha hierarquizado a relação entre as normas propostas por Município e Estado, mas apenas garantir a aplicação das medidas mais rígidas, “pois reflete, neste momento, a melhor forma de salvaguardar o direito à saúde”.

“Verifica-se que o Município de Cuiabá reconhece, em seu Decreto, a situação gravíssima de saúde pública que acomete, no presente momento, todo o Estado de Mato Grosso, o que evidencia que não há apenas interesse local, eis que ultrapassa os limites territoriais da Capital do Estado, e o município não apresentou qualquer justificativa, sob ótica da saúde, para o abrandamento de medidas dispostas no Decreto estadual”, concluiu.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorContágio acelerou por adaptação do vírus à população, diz médico
Próximo artigoJovem é sequestrada dentro de condomínio, feita refém e estuprada por dois dias