Do enterro a manutenção: saiba como é a rotina de quem trabalha no cemitério

Uma profissão cheia de mistérios

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre

Silvio Lourenço Filho, 26 anos, trabalha há 5 anos no Cemitério da Piedade como sepultador, profissão que antes era intitulada coveiro.

O emprego apareceu em um momento que a conta bancária estava na penúria e a ideia dele era ficar apenas por um mês, se estabilizar e procurar outra coisa.

Com tempo, Silvio acabou se acostumando e ficando. As atividades diária passaram a ser normais, porém quando alguém pergunta o que ele faz, a reação de susto é imediata.

“As pessoas ficam meio surpresas e, no fundo, curiosas”.

Com a proximidade do dia de Finados (2 de novembro), o Livre resolveu fazer 5 pessoas para um sepultador, que além de colocar os caixões dentro dos túmulos também é responsável pela manutenção e limpeza dos cemitérios.

1- Você já viu alma penada?

Não, nunca vi. Mas, já ouvia as pessoas falarem. Atualmente, a única coisa próxima de uma alma penada que vejo são alguns colegas de trabalho.

2- Qual o enterro mais inusitado que você já viu?

Todos são meio parecidos, mas em um deles, muitos amigos do falecido estavam bêbados. Um deles chegou a tentar quebrar um tijolo e cortou a mão. Eu acho eram amigos de bar do morto. Pelo jeito, ele era bem boêmio.

Em outro caso, o filho da falecida começou a brigar e tentar impedir os sepultadores de colocarem o caixão da mãe dele no túmulo. Foi muito triste.

3 – Você já abriu um túmulo para remover os ossos e o corpo não havia se decomposto?

Aconteceu uma vez. A pessoa estava enterrada há mais de 4 anos e eu abri o caixão para remover os ossos para um novo sepultamento. Porém, o corpo estava bem conservado. Estava os ossos e a pele. Aquele aspecto ressecado como de múmia.

4- Você já teve vontade de comer alguma oferenda deixada no túmulo?

Nunca tive. Primeiro que não podemos mexer nas coisas que as pessoas colocam e na maioria das vezes, é a penas farofa, pipoca, frutas e cachaça.

5- Qual é a pior atividade da sua rotina?

A pior coisa é fazer a limpeza do cruzeiro (aquela cruz que marca o meio do cemitério). As pessoas colocam muitas velas no local e é uma luta para tirar a parafina.

Para facilitar o trabalho, eu vou no horário que o sol está bem quente. Aí, aquele material está mole.

 

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFerimento na cabeça faz homem de 34 anos parecer uma criança
Próximo artigoTaxas e impostos: contribuintes de Mato Grosso já pagaram R$ 28 bilhões ao governo

O LIVRE ADS