Desembargador diz que Selma agiu com interesse político ao condenar Bosaipo

"Estou convicto que nesse caso houve tendência de direcionamento", disse Marcos Machado

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O desembargador Marcos Machado, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, entendeu que a juíza aposentada Selma Arruda, eleita senadora pelo PSL, agiu com interesses políticos ao condenar o ex-conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE) Humberto Bosaipo, quando esteve à frente da 7ª Vara Criminal de Cuiabá.

O magistrado votou, durante sessão de julgamento da Primeira Vara Criminal, pela procedência das exceções de suspeição contra a juíza aposentada, anulando a condenação de Bosaipo e determinando que o juízo da Vara Criminal pronuncie nova sentença contra o ex-conselheiro.

“Estou convicto que nesse caso houve, sim, uma tendência de direcionamento e uma escolha, o que é pior, durante a tramitação, o que não me pareceu aceitável em relação ao Tribunal que tinha a jurisdição para analisar se havia pertinência ou não à tese”, pronunciou o desembargador.

Marcos Machado ressaltou que ouviu vários ex-assessores da então magistrada. De acordo com o desembargador, um dele afirmou que que havia uma determinação de Selma para que todos os recursos de Bosaipo fossem indeferidos previamente.

O indeferimento, de acordo com o relato da testemunha e explanado pelo magistrado, se dava por conta da grande repercussão do caso na imprensa estadual.

Para Marcos Machado, o que mais chamou atenção é que a então juíza deveria encaminhar o caso para o Tribunal de Justiça. “Tive o cuidado de buscar junto ao sistema eletrônico da Corregedoria do Tribunal se realmente havia algum critério objetivo para que essa ação fosse julgada, o que me pareceu ainda mais enfático e inexplicável se julga uma ação que está sendo objeto de exceção de suspeição”.

O desembargador ressaltou que durante a tramitação da exceção o juiz, no mínimo, deve aguardar o Tribunal se manifestar. “Dizer “não, não há parcialidade, a senhora está legitimada a julgar, mas não. Depois de apresentar exceção no Tribunal, o que me deixou aí com a convicção de que isso foi julgado antes da aposentadoria com esse propósito como está sinalizado de dar repercussão política”.

Apesar de ter julgado procedente para anular a sentença condenatória e para que o juiz conforme sua livre convicção julgue a causa, o julgamento não foi concluído. Isso porque o desembargador Orlando Perri pediu vistas para analisar melhor a situação.

Machado concordou com o posicionamento de Perri e frisou que só não julgou antes por conta do período eleitoral, já que Selma estava no pleito. “Processei como deveria ser processado, deixei amadurecer ao longo do tempo, não trouxe a julgamento antes do pleito eleitoral para que não houvesse discussão nenhuma de que a beneficia ou prejudica, até o segundo turno que não precisava, mas esperei”, disse.

Condenação de Bosaipo

Bosaipo foi condenado a 18 anos e 4 meses de prisão, em regime fechado, pelos crimes de lavagem de dinheiro e peculato.

A sentença foi proferida em uma ação penal em decorrência da “Operação Arca de Noé”. O ex-conselheiro é apontado como membro de um esquema fraudento entre os anos de 2000 e 2012, tendo como cenário a Assembleia Legislativa de Mato Grosso e a empresa Confiança Factoring, que pertence ao ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGrupo Humanizando pede doações para o Natal de crianças em tratamento contra o câncer
Próximo artigoReceita paga hoje restituições do 6º lote do Imposto de Renda

O LIVRE ADS