Com foro restrito, STF baixa de instância 65 processos; Cidinho está entre eles

Com isso, começa a ser drasticamente reduzido o número de inquéritos e ações penais contra pessoas com foro especial que tramitam no Supremo. Matogrossense será julgado pela Justiça Estadual

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Menos de dez dias depois que o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu restringir o alcance do foro privilegiado de deputados e senadores, no último dia 3, ao menos 65 processos foram baixados para instâncias inferiores, dos quais no mínimo cinco estão relacionados à Lava Jato e seus desdobramentos.

Com isso, começa a ser drasticamente reduzido o número de inquéritos e ações penais contra pessoas com foro especial que tramitam no Supremo. Antes da restrição, o total chegava a 540 processos, sendo cerca de 100 relacionados à Lava Jato.

Segundo o novo entendimento do STF, só devem permanecer na Corte processos contra parlamentares que apurem fatos ocorridos durante e em razão do mandato.

Pente-Fino

O primeiro ministro a remeter processos para a primeira instância após o julgamento foi Dias Toffoli, que assinou despachos declinando ações e inquéritos ainda no mesmo dia da decisão em plenário.

O ministro Luís Roberto Barroso, que já havia enviado três processos ainda antes do julgamento, confirmou a remessa desses e de ao menos outros sete. Ações penais e inquéritos foram remetidos para a primeira instância também pelos ministros Edson Fachin, Alexandre de Moraes, Luiz Fux, Marco Aurélio Mello, Celso de Mello e Cármen Lúcia, presidente do STF.

No caso de Marco Aurélio, por exemplo, foi feito um verdadeiro pente-fino no gabinete, sendo remetidos para a primeira instância 45% de todos os processos contra parlamentares que estavam sob sua relatoria.

Entre os inquéritos declinados estão investigações como a que apura a participação do senador Aécio Neves (PSDB) em desvios de cerca de R$ 5 milhões nas obras da Cidade Administrativa de Minas Gerais, entre 2007 e 2009, quando foi governador.

O caso foi enviado pelo ministro Alexandre de Moraes para a Justiça mineira. A defesa disse que a declinação do processo já era esperada e negou qualquer envolvimento do parlamentar em irregularidades.

Critérios

A grande maioria dos processos remetidos a outras instâncias se enquadra na tese de que o parlamentar não ocupava o cargo na época em que os supostos delitos teriam ocorrido.

É o caso do inquérito enviado por Fachin ao juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato no primeiro grau, no qual o senador Fernando Bezerra (MDB-PE) foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por corrupção, ainda em 2016.

Ele foi acusado de ter recebido ao menos R$ 41,5 milhões em propina de empreiteiras que atuaram nas obras da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. Os crimes teriam ocorrido entre 2010 e 2011, quando o senador era secretário estadual. A defesa nega as acusações e diz ter“certeza” de que a denúncia será rejeitada em qualquer grau de jurisdição.

Alguns processos, porém, dizem respeito a crimes que teriam ocorrido quando o parlamentar já havia assumido o cargo, mas que não tem relação com o exercício do mandato.

É o caso do inquérito em que o deputado Tiririca (PR-SP) é investigado por assédio sexual, e que foi remetido à Justiça de São Paulo pelo ministro Celso de Mello. Não há detalhes sobre a investigação, que corre em sigilo.

Confira abaixo os demais parlamentares que tiveram processos remetidos a outras instâncias.

Ações penais

Senador Ivo Cassol (PP-RO) – Justiça Eleitoral de Rondônia

Deputado Hidekazu Takayama (PSC-PR) – Justiça estadual do Paraná

Deputado Alberto Fraga (DEM-DF) – Justiça do Distrito Federal

Senador Dário Berger (PMDB-SC) – Justiça estadual de Santa Catarina

Deputado Marcos Reátegui (PSD-AP) [duas ações penais] – Justiça Federal do Amapá e Justiça estadual do Amapá

Deputado Subtenente Gonzaga (PDT-MG) – Tribunal Regional Federal da 1ª Região

Deputado Cícero Almeida (PHS-AL) – Justiça estadual de Alagoas

Senador Cidinho Santos (PR-MT/licenciado) – Justiça estadual do Mato Grosso

Deputado Ronaldo Lessa (PDT-AL) – Não divulgado

Deputado Helder Ignácio Salomão (PT-ES) – Justiça estadual do Espírito Santo

Deputado Roberto Góes (PDT-AP) – Justiça Estadual do Amapá [5 ações penais]

Inquéritos

Deputado Maurício Quintella Lessa (PR-AL) – Justiça Federal de Alagoas

Senador Jader Barbalho (MDB-PA) – Justiça Federal do Pará

Deputado Wladimir Costa – não divulgado

Deputado Roberto Marinho – Justiça Federal do Rio Grande do Norte

Deputado Marco Tebaldi (PSDB-SC) – não divulgado

Deputado Alceu Moreira (MDB-RS) – Justiça estadual do Rio Grande do Sul

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRestaurante Coco Bambu abre primeira unidade em Cuiabá
Próximo artigoDetector de Corrupção mostra 13 políticos de MT e mais da metade é réu

O LIVRE ADS