Detector de Corrupção mostra 13 políticos de MT e mais da metade é réu

Aplicativo intitulado de Detector de Corrupção foi recém-lançado pelo site Reclame Aqui

Descubra a verdadeira face dos políticos. A frase abre o aplicativo intitulado de Detector de Corrupção, recém-lançado pelo site Reclame Aqui, que mostra 13 políticos mato-grossenses com mandato, dos quais 7 são réus em processos por corrupção ou improbidade administrativa.

Aparecem no aplicativo, além da bancada federal do Estado, o governador Pedro Taques (PSDB), que não é réu em nenhum processo, e o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi (PP), que responde a um inquérito no Supremo Tribunal Federal por suposto recebimento indevido de R$ 12 milhões na campanha ao governo de 2006.

Dos 3 senadores por Mato Grosso, 2 são réus, sendo eles Cidinho Santos (PR), que responde a 4 ações por atos de improbidade administrativa, e Wellington Fagundes (PR), denunciado em 1 inquérito por corrupção ativa e passiva, peculato e lavagem de dinheiro ou ocultação de bens e em 1 ação civil pública por improbidade. José Medeiros (PODE) não responde a nenhum processo segundo o aplicativo.

Em relação aos 8 deputados federais, metade responde a processos. Carlos Bezerra (MDB) é campeão. Ele é réu em 1 ação penal por peculato e crimes previstos na lei de licitações, bem como em 4 ações civis públicas, sob acusação de crimes como fraude em licitação, esquema de superfaturamento, envolvimento no escândalo da máfia das ambulâncias e dano ambiental.

Adilton Sachetti (PSB) e Ezequiel Fonseca (PP) figuram são denunciados em 3 processos. O primeiro responde a 2 ações penais por crime de responsabilidade e 1 inquérito por falsidade ideológica para fins eleitorais. Já o progressista é acusado de crime contra lei de licitação em 1 ação penal e de improbidade administrativa em 1 ação civil pública, e responde a 1 inquérito por crime de peculato e lavagem de dinheiro.

Com 2 inquéritos que apuram corrupção passiva e superfaturamento de preços de serviços e obras públicas, Nilson Leitão (PSDB) é o quarto parlamentar do Estado processado.

Os deputados Fábio Garcia (DEM), Ságuas Moraes (PT), Valtenir Pereira (MDB) e Victório Galli (PSL), não respondem a nenhum processo por corrupção ou improbidade administrativa.

O aplicativo é gratuito e traz duas opções de pesquisa. O eleitor pode direcionar a câmera do celular no rosto do político, seja ao vivo ou por foto, bem como pesquisar por cargo e Estado. No banco há governadores, deputados federais eleitos a partir de 2014, senadores eleitos desde 2010, presidentes e vice-presidentes que ainda estejam vivos, candidatos à presidência e aos governos estaduais listados pelos institutos de pesquisa Datafolha e Ibope.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCom foro restrito, STF baixa de instância 65 processos; Cidinho está entre eles
Próximo artigoCom plantio de palmeiras, começa reforma do canteiro da Prainha

O LIVRE ADS