Cinema em alerta: MT pode perder R$ 4 milhões de investimento federal

Impasse se arrasta há dois anos; contrapartida do Estado ainda não foi paga

Ilustrativa/Divulgação Box de Curtas

Em petição online e carta aberta ao Governo do Estado, cineastas mato-grossenses alertam para o risco do setor perder investimento federal no valor de R$ 4 milhões. O impasse se deve ao atraso do repasse da contrapartida da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel). Conforme representantes do setor, o não cumprimento do acordo ainda este ano poderá comprometer o recebimento do recurso previsto em edital.

Elaborado por membros do MT Cine, o documento apresenta ainda propostas para solucionar o impasse que remonta a gestão anterior.

“A gente está tentando ajudar o Estado e chancelar a nova gestão da secretaria. Estamos propondo um trabalho conjunto e está todo mundo comprando a ideia”, explicou ao LIVRE o cineasta Severino Neto, um dos diretores que tenta tirar seu filme do papel.

Ele explica que o valor total do edital – realizado pela então Secretaria de Cultura do Estado de Mato Grosso (SEC), em 2017 -, é de R$ 6 milhões. Deste montante, R$ 4 milhões são recursos federais oriundos do Fundo Setorial Audiovisual (FSA). Mas para que a Agência Nacional do Cinema (Ancine) libere o valor é necessário que o governo cumpra com o repasse de R$ 600 mil que faltam, dos R$ 2 milhões de sua parte no edital.

O texto da petição esmiúça: “o edital supramencionado prevê que para cada R$ 1,00 (um real) investido pelo ente local [Estado], R$ 2,00 (dois reais) serão investidos pela Ancine/FSA na forma de contrapartida em investimentos”.

No caso de descumprimento, as produtoras mato-grossenses ficariam algum tempo sem acesso ao Fundo.

A liberação do recurso contemplará os longas-metragens de ficção “Cinco tipos de medo”, da produtora Plano B Filmes, e “Memória de Elefante”, da produtora Molêra Filmes.

“Na prática, equivale dizer que o não acontecimento dos longas-metragens ainda no ano de 2019 paralisa o setor que deixará de injetar na economia local o valor de 4 milhões de reais e a geração de no mínimo 250 empregos diretos pelo período de 90 dias em Cuiabá e nas regiões previstas para a produção”, ressalta trecho da carta.

Procurada pela reportagem do LIVRE, a Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) não se posicionou sobre a proposta até a publicação da matéria.

Proposta 

Por conta do atraso no repasse, as produtoras audiovisuais que venceram o edital ainda enfrentam, como consequência, outro problema: os prazos. Por isso, a proposta é que os R$ 600 mil pendentes, que seriam destinados às atividades de formação, cursos e especialização de profissionais da área, sejam redirecionados, pois esta etapa demandaria ainda mais tempo.

“Tratamos aqui do tempo operacional para realização de tal certame e liquidação do pagamento integral para a empresa selecionada na finalidade de capacitação, que ao nosso entendimento inviabiliza o início da produção dos filmes neste ano”, diz trecho da carta.

O documento destaca ainda que o processo de seleção e contratação de empresas para realização da capacitação encontra-se em fase de elaboração e consulta pública pela Secel, com previsão de conclusão de no mínimo 120 dias. Severino Neto ressalta que se trata de uma proposta emergencial.

“Não estamos diminuindo a importância de um edital de capacitação e formação, sobre maneira. Contudo, o aumento no investimento de produções locais de certa forma trabalha o eixo de formação uma vez que inúmeros jovens, estudantes e entusiastas compõem as equipes nos formatos de assistências e estágios”.

A proposta conta com apoio institucional do coordenador do Curso de Cinema e Audiovisual da UFMT, Moacir Francisco de Sant’ana Barros, e do coordenador CST em Fotografia e do Polo EAD da Unic Pantanal, Vinicius André da Silva Appolari.

A petição já conta com 241 assinaturas e pode conferida na íntegra e assinada neste link.

Divergências

Em contraponto à petição, o Coletivo Audiovisual Negro Quariterê de Mato Grosso, por sua vez, acredita que retirar a contrapartida de capacitação significaria trocar mais de meio milhão de reais em formação pela “realização de dois (02) telefilmes que não terão o mesmo impacto e abrangência que o edital de formação”, considera o grupo, que se manifestou em nota.

“Na prática, a troca da formação pela realização [produção em 90 dias] é a simples manutenção do status quo, ou seja, quem produziu continuará a produzir e quem sonha em produzir, e se profissionalizar para tanto, continuará à deriva, à mercê de políticas de inclusão que não são priorizadas e não acontecem”, complementa outro trecho do texto.

Quanto à possibilidade de o Estado perder o repasse federal de R$ 4 milhões, o grupo vê um temor que resulta de uma conjuntura de ameaça a recursos para a Cultura. “Mas não há informação oficial por parte da Secretaria de um prazo limite para que esse dinheiro seja liquidado”, disse o grupo ao LIVRE.

O coletivo salienta ainda que a deliberação da proposta da carta não foi realizada em assembleia ou reunião com tal pauta. “Se a decisão de elaborar a carta não tivesse sido tomada de maneira vertical, certamente teríamos sido contrários à sugestão de re-designar esse valor de 600 mil reais, já que os profissionais negros, mulheres, periféricos, indígenas e LGBTs, são os mais afetados pela falta de oportunidades de formação”, diz carta, que pode ser conferida na íntegra aqui.

Matéria atualizada em 26 de junho, às 15h54.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBrasil ganha um aliado com a vitória da China na FAO
Próximo artigoDoe 3 litros de leite e participe de aulão preparatório para o Exame de Ordem