Árvores e abandono comprometem entorno da Igreja da Boa Morte

Raízes causam rachaduras no chão, enquanto o mato toma conta dos canteiros

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

Uma construção centenária em meio a uma área abandonada. Esta é a situação da Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte hoje. Ela está no centro da Praça Antônio Correa, em Cuiabá, e tem seu esplendor ofuscado pelo mato, árvores sem poda e até do esgoto, que mina em uma das calçadas diuturnamente.

O empresário Jorge Filho, 64 anos, tem uma ótica nas imediações e diz que a situação é preocupante pelo fato de o local ser um dos pontos históricos da cidade.

Bancos estão quebrados, fizeram a interdição do estacionamento como blocos de concreto, o mato toma conta dos canteiros e até mesmo a fonte – antigamente, um atrativo – não resistiu e acabou soterrada.

Fonte acabou soterrada e apenas estrutura permanece à mostra (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

“É uma vergonha para a população. Estamos em uma área tombada, com tudo quebrado e bagunçado”, afirma.

O vazamento do esgoto, segundo o empresário, deixa um odor fétido no ar. Os resíduos correm 24 horas por dia. Ele relata que a empresa de saneamento chegou a ir ao local, porém apenas jogou terra sobre o ponto, o que não resolveu.

“Quando tem feira aqui, os agricultores nem conseguem ficar muito tempo, por conta do cheiro”.

Esgoto corre a céu aberto nas imediações. Foto: (Ednilson Aguiar/O Livre)

De onde veem as rachaduras

O historiador Suelme Fernandes é um estudioso da igreja e sempre está envolvidos com a comunidade em busca de melhorias. Ele conta que as rachaduras vistas no piso e nos arredores da construção foram causada por um estacionamento, acompanhado de lava-jato clandestino, que estava instalado na frente da Igreja.

Ele conta que depois de conversas com a Prefeitura de Cuiabá e com a Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes Urbanos (SMTU), a comunidade conseguiu um bloqueio paliativo, com blocos de concreto.

Havia a intenção de se fazer uma cerca ou algo parecido, porém, por ser uma área tombada, qualquer construção segue ritos burocráticos que demandam tempo, o que não havia por conta da situação.

Playground resume-se a ferros retorcidos no meio do mato (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Nas tratativas com a prefeitura, relata Suelme, também tinha se estabelecido a limpeza da área, com a poda das árvores – tanto na copa como na raiz -, já que elas estão comprometendo os calçamentos e ameaçam a igreja.

Ainda ficou estabelecido que haveria um nova iluminação, por conta da segurança pública, o que não foi feito. Vale lembrar que as tratativas foram em meados do ano passado.

Situação interna do prédio

O padre Edimilton Motta assegura que o prédio, em si, apresenta uma boa condição estrutural, porém requer uma manutenção urgente do telhado, que apresenta goteiras.

Com relação as árvores, ele afirma que já entrou em contato com a prefeitura e um dos problemas é que as raízes procuram por água, então elas seguem em direção ao banheiro e demais partes do sistema hidráulico da igreja.

Padre Edimilto Motta diz que comunidade também está trabalhando para reforma do telhado (Foto: Ednilson Aguiar)

No que diz respeito às plantas, que nascem nas paredes, o padre relata que o Corpo de Bombeiros é sempre acionada para retirá-las, mas com o tempo, elas retornam.

Problemas da modernidade

Trânsito, barulho, aglomeração de pessoas e demais situações trazidas pela urbanidade têm comprometido as construções históricas. Não é apenas a Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte que foi afetada pelo trânsito intenso, a Igreja Nossa Senhora dos Passos também.

Igreja sofre com impacto do trânsito por conta da localização (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

No caso dela, a situação é ainda mais grave, tendo em vista que fica localizada às margens de uma via de grande fluxo, a rua Voluntários da Pátria.

Por dentro da igreja, é possível ver uma espécie de “barriga” na parede que faz lateral com a rua. Em outros pontos, existem rachaduras que preocupam a comunidade.

Contudo, no local, as tratativas para a tão sonhada reforma estão em andamento, em parceria com a Prefeitura. O padre Deusdédit Monge explica que foram realizados estudos de solo e um projeto já está em elaboração.

No interior, uma das paredes já apresenta deformações por conta da trepidação (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Ele conta ainda que existem projetos para a área, com a criação de um museu de arte sacra, o que traria mais movimento de pessoas para igreja. Por enquanto, não existe uma definição das datas, mas a realização do estudo é um começo.

O que diz a Prefeitura?

A Prefeitura de Cuiabá informou, por meio de nota oficial, que, com relação ao esgoto no entorno da Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte, o Município tem trabalhado para universalizar e resolver, de forma definitiva, a demanda de saneamento básico de toda a cidade.

No caso específico da localidade, um técnico vai até o local para averiguar que medida paliativa pode ser adotada para minimizar o transtorno, até que um rede coletora seja construída.

Quanto à construção da Igreja da Boa Morte, a Prefeitura afirma que ela é tombada pelo Governo de Mato Grosso, portanto, cabe a ele a avaliação das condições estruturais do imóvel e devidas providências.

Já as demandas relativas à praça, a nota diz que, caso seja comprovada a necessidade de poda ou de retirada de alguma árvore do local, o município a realizará prontamente, mediante solicitação, que deve ser encaminhada para a Empresa Cuiabana de Limpeza Urbana (Limpurb), contato pelos telefones (65) 3645-5500 e (65) 9 9299-6710.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPF cumpre mandados contra supostos fraudadores da Previdência em Cuiabá e VG
Próximo artigoMPE pede bloqueio de R$ 227 mil de prefeito de Rondonópolis