Aprovado na ALMT: Escolas e universidades viram serviço essencial

Com aprovação, unidades poderão funcionar, mas pais poderão escolher se mandam ou não os filhos para as escolas

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

Os deputados estaduais aprovaram, nesta quarta-feira (14), o projeto de lei que inclui a Educação nos serviços essenciais. A aprovação autoriza as unidades escolares a funcionarem na pandemia de covid-19. Apenas o deputado Lúdio Cabral (PT) foi contrário.

O projeto de lei é de autoria do deputado Elizeu Nascimento (PSL).

Na semana passada, a proposta já havia sido aprovada em primeira votação. Na ocasião, Thiago Silva (MDB) apresentou uma emenda acatada pelo relator, deputado Wilson Santos (PSDB).

LEIA TAMBÉM

A emenda estabelece medidas de biossegurança como uso de máscara, distanciamento de 1,5 metros entre as carteiras e mesas e disponibilização de álcool em gel. Além disso, a emenda condiciona a volta presencial das aulas a imunização dos profissionais da Educação.

Apesar da volta presencial ser obrigatória para os profissionais da Educação, os pais poderão escolher se mandam ou não os filhos para as escolas.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

3 COMENTÁRIOS

  1. Já passou da hora de liberar as aulas presenciais pois muitos pais não conseguem ajudar seus filhos nos conteúdos das apostilas. E por esse motivo os alunos não estão evoluindo no aprendizado. Tem que voltar sim pois as escolas particulares estão funcionando desde o início do ano. Fica a pergunta é só escola pública que contrai a COVID?

  2. Cadê o número da Lei?
    Cadê o link para as pessoas lerem a lei?
    Já foi sancionada pelo governador?
    Quais as exigências para o retorno presencial?
    Adm dos site e jornalistas, sejam mais informativos, por favor.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSindicato terá que pagar danos morais a servidora por uso indevido de sua imagem
Próximo artigoPor 10 votos a 1, STF confirma instalação da CPI da Covid