Animais regatados na BR-163 ganham uma nova família

Parceria da Rota do Oeste e Projeto Lunaar possibilita uma nova realidade a cães resgatados

(Foto: Assessoria)

Do atropelamento a uma nova família para viver feliz e contente. Esse é o resumo (bem resumido) da história do cachorro Snoopy, que este ano teve um Natal muito diferente de 2020, quando vivia abandonado em Sinop (500 km de Cuiabá). Hoje, ele mora em Cuiabá com os irmãos caninos Meg e Neto, além de outros 10 gatos. Todos sob a responsabilidade da tutora Michele de Freitas Vilio.

Snoopy foi encontrado na BR-163 com várias fraturas, após ser atropelado. O animal foi localizado por uma equipe operacional da Concessionária Rota do Oeste, que chegou a pensar que ele não sobreviveria à viagem até a Capital para ser tratado em uma clínica veterinária especializada. O cachorro de pequeno porte teve complicações e precisou amputar uma pata dianteira, mas isso não diminuiu a sua alegria e logo encantou o coração da sua nova dona.

Após receber alta, Snoopy foi abrigado pelo projeto Lunaar, parceiro da Rota do Oeste para ações voltadas a animais domésticos. Com a divulgação da foto dele, Michele decidiu adotá-lo para fazer companhia ao Neto.

“Eu tinha duas cadelas mais idosas e queria um companheiro para o Neto. Fico emocionada toda vez que penso na adoção no Snoopy. Ele é um cãozinho muito especial e merece ter uma vida longa e cheia de amor, como os outros que estão à espera de um lar também merecem”.

Michele explica que adotar não é uma tarefa fácil, mas que vale muito a pena. “Temos que cuidar, dar carinho, alimentar e ter condições de arcar com despesas veterinárias. Mas quando chega em casa cansada e vem aquele serzinho abanando o rabinho e pulando em você, é a melhor coisa da vida. Adotar é vida, é dar vida para aquele que não tinha esperança, é dar um lar e ver nos olhinhos deles a felicidade de ter uma família”, relata.

Snoopy está entre os nove cachorros resgatados pela Rota do Oeste na BR-163. A Concessionária ofereceu tratamento adequado para cada um deles e, com a ajuda do Lunnar, encontrou uma nova família para os que sobreviveram aos ferimentos. O último é um cachorro caramelo – também atropelado – que ainda está internado e já conseguiu uma nova dona para começar 2022 com a “pata direita”.

Assim como Snoopy e Caramelo, o projeto Lunaar dispõe de 20 cachorros e 100 gatos aptos para adoção, aguardando uma família para receber e dar todo amor e carinho. A diretora do Lunaar, Carla Fahima, comenta que o animal comprado ou adotado tem amor igual para dar ao seu dono.

“Na maioria das vezes, o animal resgatado reconhece o momento da adoção e é muito mais amoroso que o adquirido em um pet shop ou de um criador”.

Os animais adultos são os que mais têm dificuldade para encontrar uma nova família, porque a maioria das pessoas acredita que eles não vão se adaptar. Mas Carla relata que é justamente ao contrário de um filhote. O animal adulto já tem a personalidade e os hábitos estabelecidos, precisa apenas um período de adaptação e paciência do tutor para que isso ocorra de forma natural para o animal. Já um filhote não tem como prever se será um cachorro adulto arteiro, elétrico, bravo, entre outros comportamentos.

“Existe um certo preconceito que precisa ser quebrado. Os cães adultos e idosos também merecem uma nova família”.

Adoção

Para adotar, o interessado passa por uma entrevista e assina um termo de compromisso se responsabilizando pela vacinação, castração (caso ainda não tenha passado pelo procedimento) e outras necessidades que vier a ter. Também é importante ter um lar seguro, que evite fugas e passeios nas ruas. Os animais disponíveis têm as fotos divulgadas nas redes sociais do projeto.

Carla reforça que os interessados precisam ter a ciência de que o animal vive por muitos anos e o cuidado deve durante toda a vida dele.

Projeto e parceria com a Rota do Oeste

O Lunaar resgata e abriga cães e gatos, além de auxiliar no encontro de um novo lar para os animais. O custo mensal para manter as atividades do projeto é de R$ 50 mil, maior parte proveniente de doações. Ainda para reforçar o orçamento, o Lunaar recolhe frascos de desodorantes que são revertidos em renda e vende alguns produtos.

Este ano, a Rota do Oeste passou a ser a primeira parceira fixa da iniciativa. Mesmo não fazendo parte da obrigação contratual, a Concessionária atua com responsabilidade ambiental e resgata os animais que estão feridos na BR-163 e os direciona para tratamento em clínicas veterinárias, para que os procedimentos necessários de recuperação do animal sejam feitos.

“A parceria é, sem dúvidas, uma melhoria no procedimento, porque o Projeto Lunaar oferece moradia e cuidado na recuperação, durante o aguardo da adoção”.  A empresa também fornece apoio nos custos de tratamento dos animais resgatados pelo próprio Projeto.

Seja um amigo da causa

Quem não tem interesse em adotar (ou não pode) também consegue ajudar a melhorar a vida dos animais por meio de doações para manter o projeto e custear tratamentos. Qualquer valor pode ser depositado na conta bancária do Lunaar (disponível na página do Instagram) ou ainda podem ser feitas doações de ração, sachês de alimentação e granulado de madeira (material higiênico usado por felinos).

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. Que excelente notícia essa parceria da Rota Oeste com o Lunaar! A luta dessas meninas não é fácil. Só o amor pelos animais mantém tanta dedicação e trabalho.
    Fica a dica para outras empesas se engajarem. Qualquer valor mensal, que pode parecer pouco para uma grande empresa, serve de ajuda para salvar um animalzinho. Parabéns à todos, inclusive ao O Livre pela matéria.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHomem tenta matar a ex-esposa, mas arma falha três vezes
Próximo artigoPoliciais penais desobedecem ordem judicial e se negam a receber detentos em MT