Aliados de Taques apostam em deputados para manter PSD na base

Cinco partidos já prometeram apoio ao governador e grupo trabalha para ampliar arco de alianças até às eleições

Foto:(Ednilson Aguiar/ O Livre)

O governador Pedro Taques (PSDB) aposta no peso dos quatro deputados estaduais que lhe prometeram fidelidade para manter o PSD na sua base aliada, e na coligação que deve sustentar a sua provável candidatura à reeleição. O plano é que Gilmar Fabris, Pedro Satélite, Ondanir Bortolini “Nininho” e Wagner Ramos tenham mais peso que a ala liderada pelo vice-governador Carlos Fávaro, presidente estadual do partido, no momento de definir os rumos do PSD.

“Temos uma conversa muito boa com os deputados, eles têm ajudado o governo na Assembleia. Se Fávaro tem um projeto majoritário, ele vai precisar do apoio dos deputados. Eu acho que eles vão conversar bastante e, nesse encaminhamento da maioria, eu acho que o governador Pedro Taques leva vantagem”, disse o deputado estadual e ex-chefe da Casa Civil Max Russi (PSB), um dos articuladores da reeleição de Taques.

Outro partido que está com um pé dentro e outro fora da base é o DEM. Max Russi acredita que ainda é possível manter o partido na aliança, mesmo com participação de líderes da sigla em almoços da oposição e articulação para lançamento de candidatura própria.

“O DEM não fechou totalmente as portas. Acho que enquanto houver possibilidade de apoio, o governador vai buscar esses apoios. Vai conversar bastante e mostrar porque vai fazer um segundo governo muito melhor que o primeiro e no que esses partidos podem contribuir para ajudar no desenvolvimento do Estado”, disse o deputado.

Além do PSDB, cinco siglas já são consideradas parte do arco de alianças para a reeleição de Taques: PPS, SD, PSB, PEN e PRTB. A intenção é montar uma grande coligação, a exemplo das eleições de 2014, quanto Taques reuniu 13 partidos. “Temos 90 dias para construir essa coligação. Temos vaga de vice, senador, suplência. Tem bastante espaço para todos os partidos”, concluiu.