AL aprova multa a quem não usar máscara e gerar aglomeração em MT

Nova lei pune inclusive trabalhadores autônomos e empresas

(Foto: JL Siqueira/ALMT)

Com 13 votos favoráveis, quatro votos contrários e uma abstenção, a Assembleia Legislativa de Mato Grosso aprovou o Projeto de Lei 155/2021, encaminhado pelo governador Mauro Mendes (DEM), que aplica multa de R$ 500 ao cidadão que for flagrado descumprindo as medidas de prevenção à covid-19.

As empresas privadas ou órgãos públicos poderão ser penalizados com multa de R$ 10 mil.

Agora, a lei vai para sanção do Poder Executivo. Após a publicação no Diário Oficial do Estado (DOE), entrará em plena vigência em todo o território mato-grossense.

O projeto foi aprovado em regime de “urgência urgentíssima” e provocou intenso debate. A maioria dos parlamentares se manifestou contrária ao decreto do Executivo que impõe o funcionamento do comércio no período das 5h às 19h.

O deputado estadual Carlos Avalone (PSDB) criticou a imposição do Executivo, afirmando que a medida vai levar a falência bares, restaurantes e trabalhadores autônomos, que estão na informalidade.

“Esse horário não contempla bares e restaurantes e o vendedor de cachorro quente e baguncinha que, sabemos, são muitos. Nós devemos levar ao governador a proposta de prorrogar esse horário para até as 22h ou 23h”, disse.

Pedidos de ajuda

O deputado Romoaldo Júnior (MDB) informou que recebeu diversas ligações de comerciantes pedindo ajuda.

“As pizzarias vão falir em todo o Estado com esse decreto. Nós devemos trabalhar para alterar isto. O trabalhador não pode ser prejudicado”.

O deputado Faissal Calil (PV) criticou duramente o teor da proposta, afirmando que o comércio não poderia pagar pelos efeitos da pandemia.

“O pequeno empresário está sendo sacrificado e vai pagar o pato pela irresponsabilidade da maioria. Isso é injusto”.

O parlamentar foi autor de duas emendas ao texto da lei, mas que foram rejeitadas. Uma reduzia a multa para pessoa física de R$ 500 para R$ 100 e da pessoa jurídica de R$ 10 mil para R$ 1 mil.

Outro que também defendeu a flexibilização do decreto foi o deputado Ulisses Moraes (PSL).

“Ao invés de restringir horários, devemos restringir pessoas para evitar aglomerações. Precisamos fazer uma série de indicações ao governador para garantir estender o horário dos bares, supermercados, restaurantes e trabalhadores informais. Do contrário, estaremos patrocinando desemprego e gerando uma crise social imensa”.

Confira o que prevê o projeto

Penalidades serão aplicadas para as pessoas físicas e jurídicas que:

  • Descumprirem a obrigação de uso de máscara facial em espaços abertos ao público ou de uso coletivo;
  • Deixarem de realizar o controle do uso de máscaras faciais de todas as pessoas presentes no estabelecimento, sejam elas funcionários ou clientes;
  • Participar e/ou promover atividades, reuniões ou eventos que geram aglomeração de pessoas, em descumprimento a normas editadas pela autoridade municipal, estadual e/ou federal;
  • Descumprir a restrição de horários para circulação, conforme estabelecido em normas editadas pela autoridade municipal, estadual e/ou federal;
  • Desrespeitar ou desacatar a autoridade administrativa, bem como obstruir ou dificultar sua ação fiscalizadora quando no exercício das atribuições previstas nesta Lei;
  • Deixar de promover ações fiscalizatórias necessárias ao cumprimento desta Lei, quando se tratar de agente político ou de funcionário público com dever legal de determinar o cumprimento das medidas sanitárias fixadas nesta norma;
  • Cometerem outras ações consideradas lesivas ao enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente do novo Coronavírus.

As multas

As infrações poderão ser registradas pelo Procon estadual e municipal; pelos órgãos de vigilância sanitária estadual e municipal; Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros e outros órgãos municipais com poder fiscalizatório.

A pessoa ou empresa multada poderá recorrer em até 15 dias após a assinatura do auto de infração.

Além da multa, os infratores também poderão ser investigados pelos crimes de infração de medida sanitária preventiva e desobediência, previstos no Código Penal.

Os recursos arrecadados com eventuais multas serão destinados à compra de cestas básicas a serem distribuídas no município onde ocorreu a autuação.

Medidas restritivas passam a valer nesta quarta-feira (3)

– De segunda à sexta, proibição de todas as atividades econômicas das 19h às 5h. Aos sábados e domingos, a proibição será após o meio-dia. A exceção fica por conta das farmácias, serviços de saúde, funerárias, postos de gasolina (exceto conveniências), indústrias, transporte de alimentos e grãos, e serviços de manutenção de atividades essenciais, como água, energia e telefone.

– Nos horários permitidos, as atividades econômicas deverão respeitar as medidas de segurança, como o uso de máscara, distanciamento e limitação de 50% da capacidade máxima do local.

– Eventos podem ocorrer dentro do horário permitido, respeitado o limite 30% da capacidade do local, e número máximo de 50 pessoas.

– Os serviços de entrega por delivery seguem autorizados até às 23h.

– O transporte coletivo e congêneres (Uber, 99, etc) podem funcionar normalmente.

– Toque de recolher a partir das 21h até às 5h, com proibição de circulação.

– Nos órgãos públicos estaduais, fica suspenso o atendimento presencial em todas as secretarias e órgãos do governo, com exceção das unidades finalísticas. Quanto a jornada de trabalho, cada secretaria/autarquia vai disciplinar medidas para redução do fluxo de pessoas.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCâmara dos Deputados pede ao STF prisão de Danilo Gentili
Próximo artigoVereador quer igrejas abertas