Agricultura abriu 48 novos mercados para produtos brasileiros em 21 países

Os números aparecem em um levantamento feito pela FPA e são referentes ao período de janeiro de 2019 até março deste ano

A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) fez um levantamento do trabalho desenvolvido pelo Ministério da Agricultura (Mapa) no que diz respeito a abertura de novos mercados para o agronegócio brasileiro.

Desde o início de 2019, o Brasil tem apresentado conquistas importantes para o agronegócio. De janeiro do ano passado até março deste ano foram abertos 48 novos mercados, em 21 países diferentes, com a diversificação de produtos e destinos para o comércio do país.

De acordo com os dados das missões oficiais realizadas pelo governo federal, o agronegócio brasileiro está cada vez mais presente no mundo. Prova disto está no aumento de vendas de muitos produtos do país, como por exemplo a carne de frango, com estimativa de crescimento de 7% a 8% nas vendas para os próximos anos em negócios com a Índia.

O presidente da FPA, deputado federal Alceu Moreira (MDB-RS) conta que os resultados obtidos na expansão do comércio agropecuário do Brasil neste período, tem a ver “com um plano organizado em que foi possível visitar grande parte das regiões do mundo em ação conjunta da FPA e do Ministério da Agricultura, na pessoa da ministra Tereza Cristina”.

O deputado explica que “nestas visitas foi possível ampliar fronteiras comerciais, fazer novas conquistas de comércio e se está colhendo frutos importantes para a fortalecimento do agronegócio nacional”.

A carne bovina, por exemplo, tem previsão de exportações anuais, de ao menos, 25 mil toneladas com a abertura de mercado com a Indonésia, além de novas parcerias com o Kuwait e a reabertura para entrada de carne bovina brasileira nos Estados Unidos.

Já para o pescado nacional, se espera um incremento de 18% nas exportações para o Marrocos e a Coreia do Sul. A ampliação de fronteiras comerciais possibilitou, ainda, novas habilitações de estabelecimentos do Brasil de carnes de aves e suína com Singapura.

Conforme o levantamento da FPA, as notícias também são boas para o arroz e os produtos lácteos brasileiros.

O país exporta cerca de 950 mil toneladas do cereal por ano em fortalecimento de parceria com o México na venda deste produto, enquanto as exportações de leite em pó, queijos e outros derivados lácteos têm estimativas comerciais na casa dos US$ 4,5 milhões, com a habilitação de 24 empresas brasileiras em comércio com a China, além de exportação de produtos lácteos para alimentação animal, ao Japão.

Mercado chinês

A China hoje consome metade de todo melão produzido no mundo e fechou, recentemente, o primeiro acordo de exportação de frutas brasileiras, com a entrada deste produto no país asiático.

A abertura de mercado com os chineses incluiu também exportações de farelo de algodão, miúdos suínos e carne bovina termoprocessada.

Também foram habilitadas 38 plantas frigoríficas, sendo 22 de carne bovina, seis de suínos, nove de aves e uma de asinino, além da redução de 30% para 15% de uma importante tarifa para o suco de laranja brasileiro naquele país. (Com assessoria)

Confira o estudo na íntegra aqui.

LEIA TAMBÉM:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPara ajudar artistas, Flor Ribeirinha pede que fãs adiantem compra de ingresso
Próximo artigoVídeo: saiba como se prevenir do novo coronavírus no campo