Varejo de material de construção cresce 6,5% em 2018

O setor obteve um faturamento de R$ 122 milhões, batendo o recorde

Foto: Divulgação

Em 2018, o varejo de material de construção cresceu 6,5% na comparação com 2017. O setor obteve um faturamento de R$ 122 milhões, batendo o recorde. De acordo com a Anamaco (Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção), as vendas de dezembro foram melhores que o esperado, já que o mês costuma ser marcado por chuvas, férias escolares, além das festas, não sendo um momento propício para reformas.

A Pesquisa Tracking, realizada mensalmente pela Anamaco, aponta que as vendas cresceram 2% em dezembro, quando comparadas às de novembro. Na comparação com o mesmo período de 2017, o crescimento é ainda maior, de 5%.

De acordo com o estudo, as regiões Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste apresentaram crescimento de, respectivamente, 12%, 4% e 3%. As vendas da região Sul se mantiveram estáveis e caíram 9% no Norte do Brasil.

A categoria de tintas cresceu 17% no período, revestimentos cerâmicos ficaram estáveis e telhas de fibrocimento caíram 5%.

O estudo entrevistou 530 lojistas entre os dias 18 a 21 de dezembro e revelou que quase todas as regiões do País apresentaram crescimento, com destaque para o As vendas ficaram estáveis na região Sul, e apresentaram queda de 9% no Norte.

Cláudio Conz, presidente da Anamaco, acredita que a primeira quinzena do mês foi beneficiada com a alta das vendas. “Com a melhora da confiança do consumidor, por conta das eleições presidenciais e da retomada do otimismo na economia, o cliente se sentiu à vontade para fazer pequenas obras ou pintar sua casa para receber a família e comemorar o Natal. Também é preciso lembrar que, por conta do período de chuvas, algumas reformas foram para evitar infiltrações ou problemas maiores decorrentes do clima”, disse.

A pesquisa da entidade aponta que os varejistas do segmento estão otimistas. 38% dos pesquisados afirmaram esperar resultados melhores em janeiro, mês em que as vendas são tradicionalmente baixas. . “Eu sempre digo que o ano só começa para o setor depois do Carnaval. Janeiro é um mês de férias escolares, de viagens… Quem não viaja está com criança em casa, e criança não combina com reforma. Fora isso, mal começa o ano e já chegam os carnês de IPTU, IPVA, matrícula escolar… e como reforma demanda planejamento, sempre acaba ficando pra depois de fevereiro”, explicou Conz.

Além disso, 50% dos varejistas têm planos de investir neste ano e 19% desejam fazer contratações em janeiro, volume maior que em dezembro, em todas as regiões. 87% dos comerciantes responderam em dezembro que estão otimistas com o governo, a maior porcentagem registrada em 2018.

A Anamaco prevê 8,5% de crescimento do setor de material de construção em 2019, em relação a 2018. “Temos buscado o diálogo com o novo governo, que já sinalizou prioridade à Saúde, Segurança Pública e Educação. Essas áreas influenciam diretamente o nosso setor, com a construção de escolas, hospitais, novos presídios. Além disso, o número de casamentos, de nascimentos e de divórcios impacta diretamente o setor de reformas, pois quem casa quer casa, quem tem filho precisa adequar a moradia e quem separa também precisa de lugar para morar. O consumidor está mais confiante e os números mostram que há uma retomada de obras”, concluiu Conz.

*Com assessoria

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBolsonaro faz nesta terça-feira a segunda reunião ministerial
Próximo artigoProdutores rurais começam o ano com novos prazos para a regularização ambiental

O LIVRE ADS