Um peixe do Pantanal no seu aquário? Unemat está catalogando espécies

Objetivo da pesquisa é criar consciência ambiental e uma nova fonte de renda para quem vive da pesca em Mato Grosso

(Foto: Claumir Muniz)

A prática do aquariofilia – técnica de criar peixes em aquário – é milenar. Há registros da atividade há cerca de 4 mil anos, no Antigo Egito. Manter um peixe em casa cria uma ligação com a natureza, acalma e pode ser uma terapia para controlar o stress.

No Brasil, os lares de entusiastas já contam com 18 milhões de peixes ornamentais. E em breve, no que depender de uma pesquisa da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), espécies que vivem no Pantanal poderão estar entre eles.

O estudo é uma parceria com o projeto Bichos do Pantanal. A ideia é realizar um levantamento das espécies nativas com potencial para aquarismo.

“O objetivo é que dominando a tecnologia, essa atividade possa virar uma fonte alternativa de renda sustentável para economia local, com geração de emprego e aliada à educação ambiental e à preservação da natureza”, afirma o professor Claumir Muniz, que chefia o levantamento.

(Foto: Claumir Muniz)

Em Mato Grosso, segundo Muniz, há 330 espécies catalogadas de peixe. Dessas 85% são de pequeno porte e têm potencial para a aquariofilia.

As pequiras – termo usado para se referir ao conjunto de pequenos peixes – têm um grande apelo para a atividade, principalmente pelos padrões de cores que apresentam.

Entre elas destacam-se o tetra-preto e alguns pequenos lambaris. Essa abundância de espécies pantaneiras remete ao potencial de desenvolvimento do aquarismo no Pantanal.

“Digamos que um pescador pega um pintado de 10 quilos e vende o kg desse animal por R$ 10. Ele pode criar cinco mil peixinhos e ter uma potencialidade de ganho muito maior“, explica o professor.

A pesquisa é feita em Cáceres (220 km de Cuiabá), região pantaneira de Mato Grosso. Ao fim dela, um manual também deve ser elaborado. A cartilha deve conter o conhecimento e a tecnologia usada para a criação dos peixes ornamentais em ambientes controlados.

Responsabilidade: aquariofilia é coisa séria

(Foto: Divulgação)

O professor lembra que, quem quer ter um aquário, tem que levar a prática a sério.

“As pessoas têm que ter na cabeça que, quando se compra um peixe de aquário, vem a responsabilidade de cuidar desse animal. Ele precisa de um ambiente controlado, alimentação”, ressalta.

O Bichos do Pantanal é realizado pelo Instituto Sustentar e patrocinado pela Petrobras, por meio do programa Petrobras Socioambiental.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMãe estranha comportamento do filho e procura policlínica suspeitando de abuso sexual
Próximo artigo22% da população de Cuiabá: quem são os trabalhadores essenciais?

O LIVRE ADS