Trajetória de André Maggi é contada em livro lançado em Cuiabá

“André Maggi: do cabo da enxada ao centro do agronegócio brasileiro”, foi escrito por Martha Baptista e publicado pela editora Entrelinhas

Distante dos portos, com estradas precárias e terras até então consideradas como pouco vocacionadas à agricultura em larga escala, empreender em Mato Grosso da década de 1980 era um grande desafio. Se hoje o Estado é um dos responsáveis por manter positiva a balança comercial brasileira, com recordes agrícolas e o posto de maior exportador de commodities do país, esta condição se deve à audácia de homens e mulheres que arriscaram empreender nessas condições.

Um desses personagens foi André Antonio Maggi, falecido em 2001, cuja história agora está sendo contada pela jornalista Martha Baptista na biografia autorizada “André Maggi: do cabo da enxada ao centro do agronegócio brasileiro” (Entrelinhas Editora, 352 páginas). O lançamento da obra ocorreu nessa segunda-feira (22), na sede da Amaggi, em Cuiabá (MT) e contou com a presença da matriarca da família, Lúcia Maggi.

Na ocasião, um dos filhos do “seu André”  – como é carinhosamente lembrado – o ex-ministro da Agricultura,  Blairo Maggi, ficou visivelmente emocionado ao falar da trajetória de sucesso do pai e compartilhou o momento em uma rede social.

[featured_paragraph]”Há exatos 18 anos, meu pai partia desse plano e nos deixava uma grande certeza: certas histórias merecem ser contadas. Poucas vezes eu me lembro de ter a voz embargada num discurso, mas, falar do meu pai não foi e nunca será tarefa fácil”, publicou. [/featured_paragraph]

Segundo Maggi, o principal legado que herdou do pai foi a determinação. “Ele é inspirador, ele fez a diferença, fez acontecer, nunca teve medo e fez aquilo que todos nós gostaríamos que milhares de pessoas fizessem pelo seu país, pela sua cidade, gerar renda e emprego para que todos possam crescer. É uma honra muito grande para nós como família Amaggi dividir esses momentos com vocês. Esse livro é uma Bíblia, um manual, siga que você será um André Maggi”, disse aos convidados durante a cerimônia.

Boa noite! Há exatos 18 anos, meu pai partia desse plano e nos deixava uma grande certeza: certas histórias merecem ser contadas! Por isso, no dia de hoje, lançamos o livro da sua biografia “André Maggi, do cabo da enxada ao centro do agronegócio brasileiro”. Poucas vezes eu me lembro de ter a voz embargada num discurso, mas, falar do meu pai não foi e nunca será tarefa fácil. O maior legado que ele deixou foi a determinação, a força de nunca desistir! Obrigado a todos os familiares, amigos e colaboradores, que dividiram conosco um momento tão especial! #livro #biografia #andrémaggi #meupai #fezhistória 📚📖 A todos que tiverem interesse em adquirir um exemplar, segue o link de acesso: http://twixar.me/6cBK 😀

Uma publicação compartilhada por Blairo Maggi (@blairomaggi) em

A obra

Baseada em pesquisa jornalística, entrevistas e com rico acervo fotográfico, a edição cumpre o papel de fixar de vez na memória do país uma trajetória de vida essencial para se compreender contextos e aspectos humanos do agronegócio no Brasil.

O gaúcho André Antonio Maggi foi mais um “sem-nada” e homem de poucas letras a integrar ainda jovem os amplos movimentos migratórios de famílias que, na segunda metade do século XX, aos poucos deixaram o Sul do país para buscar a sobrevivência, trabalhando em novas terras. Dedicando-se a diferentes atividades econômicas, no caminho essas famílias foram estabelecendo negócios, formando fazendas, fundando comunidades e deixando legados da região Sul às regiões Centro-Oeste e Norte do país.

Entre seu primeiro deslocamento com a família ao Paraná, em meados dos anos 1950, e a aquisição de terras em Mato Grosso, no começo da década de 1980, André Maggi lidou na roça com mandioca, abacaxi e banana, trabalhou como madeireiro e plantou arroz, mas foi com o espírito de desbravador e o improvável cultivo de soja em Mato Grosso que veio a ficar conhecido como um dos mais importantes empreendedores brasileiros.

Ao fundar o que veio a se tornar a Amaggi, maior empresa brasileira do agronegócio, André Maggi fundou fazendas no noroeste de Mato Grosso, onde também ergueu o município de Sapezal (do qual foi o primeiro prefeito), construiu hidrelétricas, venceu distâncias abrindo hidrovias nos rios amazônicos para exportar grãos pelo Oceano Atlântico e morreu aos 74 anos com reputação de pioneiro.

“André Maggi: do cabo da enxada ao centro do agronegócio brasileiro” está disponível para venda pelo site da editora Entrelinhas. A renda obtida com as vendas será revertida para a Fundação André e Lucia Maggi (clique aqui e conheça), instituição sem fins lucrativos que promove o investimento social privado da Amaggi nas comunidades onde a empresa atua.

Sobre a autora

Quem conta essa trajetória é a escritora Martha Baptista, jornalista polivalente, com passagens por editorias variadas de veículos como o jornal O Globo, a revista Veja e o Jornal do Brasil, entre outros da imprensa nacional. Em Mato Grosso, Martha se especializou no agronegócio, escrevendo pela revista Produtor Rural e atuando em assessorias de imprensa do setor. Vencedora do Prêmio Esso de Jornalismo (categoria Informação Política, em 1987) e do Prêmio Embrapa de Reportagem (2005), entre outros, Martha também empregou sua técnica jornalística nos três livros que publicou anteriormente, todos pela editora Entrelinhas. A história de André Antonio Maggi, além de reforçar a vocação da editora mato-grossense para o registro historiográfico, também é a quarta obra da escritora corumbaense Martha Baptista com caráter biográfico.

*Com Assessoria

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJúlio garante apoio do DEM ao prefeito Emanuel Pinheiro
Próximo artigoRecém-formados são incentivados a crescer no cooperativismo

O LIVRE ADS