Tráfego de caminhões é liberado em rodovia federal de Mato Grosso

Caminhões com 48,5 toneladas estavam proibidos de rodar em Castanheira, Juruena e Colniza

Foto: Assessoria

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) anunciou que irá retirar as restrições de rodagem impostas no início do ano no trecho mato-grossense da BR-174.

A informação consta em um ofício assinado pelo superintendente do órgão em Mato Grosso, Orlando Fanaia Machado, encaminhado ao gabinete do deputado federal Nelson Barbudo (PSL).

As restrições de rodagem, que vedavam a circulação de caminhões com peso bruto acima de 48,5 toneladas no trecho compreendido entre as cidades de Castanheira, Juruena e Colniza.

“Desde a edição desta portaria, que trouxe muitos prejuízos para a região, vínhamos trabalhando em conjunto com a bancada para mudar esta situação, o que vai ocorrer conforme informado pelo engenheiro Fanaia”, destacou Barbudo.

Para proceder com a restrição, o DNIT alegou que o tráfego destes veículos no período chuvoso causaria danos e atoleiros que levavam a constantes interrupções parciais e totais do tráfego na região.

“O período chuvoso já passou e o DNIT trabalhou na recuperação do pavimento e das pontes, não havendo mais motivo para que essa interdição perdurasse. A restrição trouxe prejuízos aos produtores da região e isso precisa parar”, pontuou o parlamentar.

Segundo o deputado, o ofício encaminhado pelo superintendente do DNIT reforça que o órgão já está tomando as medidas administrativas para revogar a portaria.

“Esperamos que muito em breve isso esteja publicado no Diário Oficial da União, conforme compromisso do próprio diretor. Trata-se de uma boa notícia para os mato-grossenses e, em especial aqueles que moram a trabalham na região afetada”. (Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCovid-19: secretário diz que medidas sanitárias de prefeitos têm “viés eleitoreiro”
Próximo artigoArrecadação de fundo despenca e hospitais filantrópicos de MT ficam desamparados

O LIVRE ADS