Sputnik V: O que você sabe sobre a vacina comprada por Mato Grosso?

Liberação para uso emergencial avança no Brasil, após imunizante passar de desconfiança para alta requisição pela eficácia de 91% contra a covid-19

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

A imunização de pessoas contra a covid-19 em Mato Grosso deve avançar a partir da segunda quinzena deste mês. É quando devem chegar os lotes da vacina Sputnik V, produzida pela Rússia. 

O governo do Estado anunciou nessa quarta-feira (31) a compra de 1,2 milhão de doses pelo Consórcio Amazônico. A data coincidiu com eventos importantes para a droga.  

Um dia antes, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou o certificado de boas práticas farmacêuticas para a Inovat Indústria Farmacêutica/União Química, responsável pela produção da Sputnik V no Brasil. A chancela é uma das etapas para o registro de uso emergencial no Brasil. 

A vacina da farmacêutica Johnson & Johnson, que também recebeu o certificado de boas práticas laboratoriais no mesmo dia, já está liberada para uso emergencial. É a terceira vacina autorizada pela Anvisa. 

Ontem, a União Química anunciou ter terminado os trabalhos do primeiro lote de vacinas produzido totalmente no Brasil. A capacidade mensal de produção divulgada é de 100 milhões de doses. 

Segredo russo

A Sputnik V passou de uma produção desconfiada para uma das vacinas mais requisitadas no mundo. A Rússia anunciou na virada do ano o início dos testes em pessoas, sem divulgar informações sobre a produção.  

A decisão foi vista com temeridade pelo contexto obscuro da produção e pela velocidade em que teria ficado pronta (fator que pesou também para outras drogas). 

(Foto: Polina Tankilevitch / Pexels)

Mas a procura pela vacina está baixada entre a própria população russa. Conforme a BBC Brasil, o cenário político interno e a falta de informação pelo governo ajudam a explicar essa situação. 

A perspectiva, ao menos para o cenário externo, mudou após a publicação de um estudo na revista científica The Lancet, em fevereiro deste ano. Pesquisadores apontaram eficácia de 91,6% da Sputnik V na imunização contra os sintomas da covid-19. 

Avaliação  

O resultado saiu de um teste com participação de 19.866 voluntários. Dois terços tomaram duas doses da vacina (com um intervalo de 21 dias entre elas) e o restante ficou com um placebo. Desses, 78 pessoas desenvolveram a covid-19, sendo que 62 estavam no grupo que não receberam a vacina. 

Na época da aplicação da segunda dose, a vacina teve resultado de 100% de eficácia. Um resultado superior ao da CoronaVac, vacina chinesa que já vem sendo usada no Brasil, sob produção do Instituto Butantan. 

O estudo de The Lancet diz ainda que as reações adversas graves observadas nas pessoas que participaram do teste não foram associadas à dose. Um comitê independente de avaliação afirmou que as reações mais graves da vacina foram desconforto no local da injeção, dor de cabeça, cansaço e sintomas gripais leves.  

Mercado 

Ao menos 17 países na América Latina e no Leste Europeu já usam ou encomendaram a importação da Sputnik V. Recentemente, França e Alemanha mostraram interesse em comprar a vacina. 

No Brasil, em março, a cidade de Niterói e a Bahia anunciaram compra direta de doses. O caminho foi aberto pelo Consórcio Nordeste, que fechou no início de março a compra de 37 milhões de doses. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRemédios podem ficar até 10% mais caros a partir desta quinta-feira
Próximo artigoFarra de combustíveis