Salário não vale o risco: Médicos e enfermeiros negam falta de profissionais no mercado

Profissionais e governo ainda não chegaram a um acordo sobre como conduzir ações na pandemia para evitar saturação em hospitais

(Foto: Cottonbro / Pexels)

A dificuldade na contratação de médicos e enfermeiros tem sido notícia desde a intensificação da pandemia em Mato Grosso. Estado e municípios alegam falta de profissionais no mercado disponíveis para assumir os postos na linha de frente da covid-19. 

O caso mais recente aconteceu em Várzea Grande, onde mais de 30 leitos de enfermaria e Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) foram abertos sem a contratação de mais profissionais.

Mas, as entidades que representam essas classes trabalhadoras negam a informação passada pelo poder público. 

Elas dizem que o problema é a situação desfavorável que médicos e enfermeiros precisam enfrentar nos plantões em hospitais de referência. Também os salários baixos para se expor ao risco do contágio.

Segundo Sindicato dos Profissionais de Enfermagem de Mato Grosso (Sinpen-MT), um médico na linha da covid-19 tem recebido R$ 1,8 mil por cada plantão de 12 horas.

Para os enfermeiros a oferta é de R$ 2,8 mil para cada 14 plantões de 12 horas. 

Não falta médico no mercado, falta um salário adequado para eles. A situação é de grande risco e estão pagando muito mal”, diz a presidente do Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso (CRM-MT), Hildenete Monteiro. 

Imagem Ilustrativa (Foto: Freepik)

Segundo ela, a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) antecipou a conclusão do curso para algumas turmas de Medicina, justamente, para manter o fluxo de profissionais no mercado. Recentemente 22 novos médicos ganharam seus registros. 

Neste caso, os recém-formados podem ser acompanhados por médicos intensivistas, no esquema de um profissional para cada 10 leitos de UTI, podendo chegar a atender até 15 pacientes, conforme uma regra do próprio CRM.  

Quase o dobro da carga de trabalho

O Sinpen-MT também nega a indisponibilidade de trabalhadores no mercado. O quadro mais escasso seria o dos técnicos de Enfermagem e o motivo seria o plantão pesado que eles enfrentam nos hospitais de referência. 

“A reclamação deles [técnicos] é que no [Hospital] Metropolitano, [em Várzea Grande], um está cuidando de sete pacientes, quando deveria cuidar no máximo de quatro”, disse o presidente do sindicato, Dejamir Soares. 

A baixa quantidade de profissionais sobrecarrega os contratados num cenário de pandemia. E a demanda por mais pessoal pode estar represada pela coordenação dos hospitais. 

“Têm muito paciente para pouco pessoal de Enfermagem, mas isso, via de regra, é um problema da coordenação do hospital, que não fez o dimensionamento correto e, por medo de perder o cargo, acaba não passando a situação para a direção”, disse. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGoverno de MT prorroga decreto contra a covid; AMM queria medidas mais rígidas
Próximo artigo“Não pode ser política de governo”, diz novo ministro sobre lockdown