Reduzir impostos, sem reduzir impostos: entenda a Reforma Tributária em trâmite na Câmara Federal

Autor da PEC 45/2019, projeto mais avançado no Congresso Nacional, o economista Bernand Appy veio a Cuiabá explicar essa “mágica”

(Foto: FreePik)

Reduzir o custo dos impostos no bolso do cidadão sem diminuir a carga tributária do país e, consequentemente, a arrecadação da União, dos Estados e dos municípios.

Essa é a promessa da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 45/2019, o projeto de reforma tributária que está mais perto de se tornar realidade entre os que tramitam no Congresso Nacional.

Em visita a Cuiabá nesta segunda-feira (18), para um evento na Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), o economista Bernard Appy, autor da PEC – que foi apresentada pelo deputado federal Baleia Rossi (MDB/SP) – explicou como seria possível agradar a “gregos e troianos”.

Segundo ele, o segredo é a simplificação.

Pela proposta de Appy, cinco impostos federais, estaduais e municipais se tornariam um só: o IBS, imposto sobre bens e serviços.

As regras desse novo imposto valeriam em todo o território nacional, o que, segundo Appy, provocaria dois efeitos primordiais para agradar os consumidores, ou seja, reduzir os preços das coisas. O que também refletiria efeitos positivos nos cofres públicos.

1. O fim da guerra fiscal

Principal fonte de receita dos governos estaduais, o ICMS tem regras diferentes em cada Estado do Brasil.

Isso quer dizer que existem 27 alíquotas diferentes para esse imposto e cada governador pode “cobrar o preço” que quiser, assim como conceder “descontos” e isenções – os incentivos fiscais – que achar conveniente.

Medidas assim costumam ser adotadas para atrair a instalação de empresas que possam gerar emprego e renda para a população, mas, conforme Appy, também contribuem para o aumento dos preços de determinados produtos.

“Geralmente, se dá benefício para empresas que não têm vocação para ir para o Estado”, ele afirmou.

Appy deu como exemplo empresas que acabam instalando seus centros de distribuição em locais do país que não fazem sentido do ponto de vista logístico, porque o custo de transporte dos produtos se torna alto.

Elas fazem isso, entretanto, porque esse custo a mais acaba sendo de alguma forma compensado pelo imposto mais barato.

“São Paulo está concedendo incentivos fiscais para frigoríficos. Frigoríficos que deveriam estar aqui”, ele exemplificou, fazendo referência à produção agropecuária de Mato Grosso.

Com um imposto único, cobrado de forma igual todo o território do país, pela teoria de Appy, as empresas se instariam onde fosse logisticamente mais eficiente. Isso reduziria o custo da produção e, consequentemente, o preço desse produto para o consumidor.

2. O fim da burocracia que encarece o imposto

A simplificação proposta pela PEC 45/2019 também pode reduzir o custo da carga tributária para o cidadão sem reduzir a carga tributária em si, segundo o economista, porque, com um imposto único, seria mais fácil para os empresários entenderem as “regras do jogo”.

“O custo burocrático de pagar imposto, no Brasil, é o mais alto do mundo”, sustentou Appy.

Um custo que, segundo o presidente da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt), Gustavo Oliveira, está nos setores administrativos das empresas: funcionários contratados para calcular – com base nas inúmeras alíquotas diferentes vigentes no país – quanto é preciso pagar para os governos.

“Vou dar um exemplo. Nós temos no Brasil uma grande indústria metalúrgica, a Gerdau. Eles têm uma planta no Brasil e outra no Canadá. As duas têm o mesmo número de funcionários, a mesma capacidade de produção. A diferença é que aqui no Brasil eles têm mais de 40 pessoas na administração. No Canadá, duas pessoas fazem esse trabalho”, disse Oliveira.

Arrecadação ainda maior

Para a União, os Estados e os Municípios, a reforma tributária de Bernard Appy pode significar, de acordo com o próprio economista, uma arrecadação ainda maior dentro dos próximos 10 anos, que é o período de transição entre o atual sistema tributária e o novo, proposto por ele.

Primeiro, porque com a redução dos custos de produção, as coisas teriam preços menores e as pessoas passariam a comparar mais, o que significa que também pagariam mais imposto.

“Cada brasileiro é de 10% a 20% mais pobre do que ele poderia ser por causa do sistema tributário atual”, sustentou o economista.

Bernard Appy foi secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda e hoje é diretor do Centro de Cidadania Fiscal (Foto: AMM)

Segundo, porque com regras mais claras de como o imposto seria cobrado no país, mais empresas e investidores estrangeiros poderiam se interessar em se instalar no Brasil. Isso resultaria em mais pessoas empregadas e com maior capacidade de consumo.

“É como se nós [brasileiros] estivéssemos dentro de uma enorme caixa de areia e cada um [Estados e Municípios] está tentando fazer seu montinho, roubando areia do outro. Precisamos que alguém de fora venha e traga mais areia para todo mundo”, explicou Gustavo Oliveira.

E a tramitação?

Secretário de Fazenda de Mato Grosso, Rogério Gallo afirma que a proposta elaborada por Bernand Appy e apresentada pelo deputado federal Baleia Rossi é a mais “avançada” neste momento no Congresso Nacional.

Ela é também, ainda de acordo com Gallo, a que mais atende os anseios dos governos Estaduais, o que inclui Mato Grosso.

Uma segunda proposta de reforma tributária, a PEC 110/2019, foi apresentada no Senado. O secretário afirma, contudo, que esta precisaria muitas alterações para ser satisfatória.

A avaliação de Gallo é que congressistas das duas Casas – Câmara dos Deputado e Senado – devem tentar juntar as duas propostas e criar uma única.

Resistência mato-grossense

No caso de Mato Grosso, entretanto, mesmo a PEC 45/2019 enfrenta resistência. O principal ponto questionado pela classe política local é o fato de que o IBS seria cobrado no momento do consumo e não da produção.

Hoje, o ICMS e o ISS são cobrados de quem presta o serviço, fabrica ou vende o produto. Isso quer dizer que empresas localizadas em Mato Grosso, pagam imposto para os governos locais – do Estado ou dos Municípios – ainda que seus clientes estejam em outros pontos do país.

Com uma população que não chega a 3,5 milhões de habitantes, Mato Grosso seria, portanto, prejudicado se quem passasse a pagar esse imposto fossem os consumidores, já que há menos deles por aqui.

Um problema que, para Rogério Gallo, poderia ser resolvido com a criação de um fundo de desenvolvimento regional “robusto”, proposta já feita pelos Estados em forma de emenda à PEC de Bernad Appy.

O fundo seria abastecido com uma parcela do dinheiro recolhido pelo próprio IBS e distribuído para Estados menos desenvolvidos investirem, por exemplo, em infraestrutura que atraia a instalação de empresas para esses locais.

“Nós temos que ser lucrativos para a iniciativa privada e como somos um Estado com baixa população e baixo consumo, portanto, a tendência é que essas empresas vão para os Estados que hoje têm uma maior população e mercado consumidor. Nós temos que evitar que isso aconteça”, defendeu o secretário.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLíderes do agro brasileiro se encontram com presidente do conglomerado Sinochem
Próximo artigoEm Mata Cavalo, quilombolas quebram barreiras por meio da educação