Partido de Bolsonaro impõe regras que podem inviabilizar candidaturas de Selma e Galli

A Executiva Nacional do PSL baixou uma resolução proibindo a coligação com nove partidos

A 18 dias do fim do prazo estipulado pela Justiça Eleitoral para realização das convenções partidárias, a Executiva Nacional do PSL, do presidenciável Jair Bolsonaro, baixou uma resolução proibindo a coligação do partido com nove siglas. Com a vedação, as candidaturas da juíza aposentada Selma Arruda ao Senado e do deputado federal Victório Galli, que deve ir à reeleição, podem ser inviabilizadas no Estado.

O documento, assinado pelo presidente da Comissão Executiva Nacional do PSL, Gustavo Bebbiano Rocha, veta alianças com o PT, PCdoB, PDT, PSTU, PCB, PCO, Psol, Rede Sustentabilidade e PSDB. Em Mato Grosso, o partido articulava composição com dois grupos, sendo um do pré-candidato ao Governo Wellington Fagundes (PR), que já conta com o apoio declarado do PCdoB, e o outro do possível candidato à reeleição, governador Pedro Taques (PSDB).

Nem mesmo a chapa que trabalha o nome do pré-candidato Mauro Mendes (DEM) ao Executivo Estadual se torna viável, uma vez que o arco de alianças já conta com o PDT.

Inicialmente, o PSL anunciava composição com as legendas que formam a Frentinha (Podemos, Pros, PMN, PRP, Avante e DC) e o PSC, que tem Reinaldo Moraes como pré-candidato ao Governo. A coligação estaria liberada, no entanto, partidos que formam a Frentinha tendem a apoiar Wellington Fagundes.

Os dois pré-candidatos articulavam composição com o grupo de Taques ou de Wellington especialmente pela estrutura para as campanhas proporcionais, uma vez que o partido precisa eleger deputados estaduais e federais devido a clausula de barreira, que estipulou um mínimo de desempenho para que as siglas tenham acesso ao fundo partidário e ao tempo gratuito de rádio e televisão.

Na resolução, o presidente determinou que a formação das coligações para a disputa das eleições majoritárias e proporcionais nos estados deverá ser previamente autorizada pela Comissão Executiva Nacional, sob pena de anulação das deliberações das Convenções Estaduais que contrariarem o comunicado.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCom Unicamp no topo, Brasil lidera ranking de universidades latino-americanas
Próximo artigoTSE vai fiscalizar uso de dinheiro vivo nas eleições