Projeto aprovado no Senado pode aumentar arrecadação de VG em até R$ 3,4 milhões

Com a mudança, impostos sobre compras no cartão de crédito passam a ser cobrados na cidade em que o cliente está

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Um projeto de lei aprovado no Senado deve fazer com que o Imposto Sobre Serviço (ISS) passe a ser cobrado na cidade onde reside o cliente e não mais pelo município de origem da empresa. Uma regra que promete beneficiar cidades pequenas, mas prejudicar as maiores.

Em Cuiabá, o secretário de Fazenda, Antônio Roberto Possas de Carvalho, ainda aguarda a equipe econômica concluir os cálculos do impacto financeiro. Ao LIVRE, reconheceu, entretanto, que imagina que ele será negativo.

Enquanto isso, em Várzea Grande (região metropolitana), a secretária de Gestão Fazendária, Lucinéia dos Santos Ribeiro, estima que o município pode passar a arrecadar entre R$ 2,6 milhões a até R$ 3,4 milhões a mais com a mudança.

A aposta de Lucinéia está, principalmente, nas compras por cartão de crédito.

Hoje, se um cliente faz uma compra pela internet em Cuiabá e paga com o cartão de crédito cuja sede da operadora fica em São Paulo, é a prefeitura paulista quem arrecada o imposto.

Se a proposta aprovado no Senado for sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro – a partir de 1º de janeiro de 2021 -, quando uma transação como essa ocorrer, o imposto vai para os cofres da Prefeitura de Cuiabá.

Além de compras com o cartão de crédito e débito, a mudança vai valer para pagamentos de serviços como planos de saúde, médico-veterinário, administração de fundos, consórcios, carteiras de clientes, cheques pré-datados e de arrendamento mercantil  (leasing).

“Está se corrigindo uma falha enorme causada pela modernidade e eficiência da internet”, defendeu a secretária de Gestão Fazendária de Várzea Grande.

Proposta mato-grossense

O projeto de lei foi apresentado pelo ex-senador por Mato Grosso Cidinho Santos que afirmava querer corrigir a “grande injustiça” da centralização desses recursos em poucos municípios.

O projeto original acabou sofrendo mudanças na Câmara dos Deputados, por isso retornou para análise dos senadores. A senadora Rose de Freitas (Podemos-ES), relatora da proposta, no entanto, reinseriu grande parte do projeto original na proposta vinda da Câmara.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTaxa de desempregados aumenta no Brasil; MT tem um dos menores índices do país
Próximo artigoAmigo realmente é um ser que a vida não explica